Cinema

Voando sobre os melhores filmes de Milos Forman

397

Eurico de Barros recorda os filmes mais significativos da carreira do cineasta, autor de sucessos oscarizados como "Voando Sobre um Ninho de Cucos" ou "Amadeus", que morreu aos 86 anos nos EUA.

Autor
  • Eurico de Barros
Mais sobre

Toda a obra de Milos Forman, que morreu na sexta-feira aos 86 anos nos EUA, desde os filmes que fez na sua ex-Checoslováquia natal (hoje República Checa), até aos que realizou nos EUA e na Europa, uma vez instalado no Ocidente após o trágico fim da Primavera de Praga, é atravessada pelo tema do conflito entre o indivíduo e as instituições, expressando-se nas mais variadas formas. Esse indivíduo tanto pode ser um cidadão comum e anónimo, como acontece em “O Ás de Espadas”, “Os Amores de uma Loira” ou “Voando Sobre um Ninho de Cucos”, um artista genial ou excêntrico (“Amadeus”, “Homem na Lua”), um revoltado social (“Ragtime”) ou mesmo um editor de pornografia (“Larry Flynt”).

A este fraquinho por personagens que transformavam o seu individualismo e a sua atitude anticonformista, ou mesmo iconoclasta, numa bandeira e numa orientação de vida, Milos Forman, duas vezes vencedor do Óscar de Melhor Realizador (por “Voando Sobre um Ninho de Cucos”, em 1976, e por “Amadeus”, em 1985), juntava uma veia satírica muito típica da Nova Vaga do cinema checo (e de quem tinha que filmar sob a censura comunista). E cultivava um tipo de realismo assente na observação atenta das pessoas, sobretudo nas suas relações e em situações sociais, o que conferia aos seus filmes, sobretudo os que rodou ainda no Leste, uma sensação de espontaneidade quase documental, e que lhe foi muito útil para registar e dramatizar os paradoxos e os ridículos do seu país de adopção (naturalizou-se americano em 1977).

Da primeira longa-metragem, “O Ás de Espadas” (1964), à última, “A Walk Worthwhile”, um musical feito na República Checa (2009), Forman só realizou 13 filmes em 45 anos. “Voando Sobre um Ninho de Cucos” foi o segundo a conseguir vencer os chamados “Big Five” dos Óscares de Hollywood (Melhor Filme, Realizador, Argumento, Actor e Actriz), e “Amadeus” acumulou mais oito. Entre os projectos que deixou por fazer conta-se “Ember”, adaptação de um romance de Sandor Marai, com Sean Connery e Klaus Maria Brandauer, sobre a amizade entre dois homens na Europa Central, dos anos do fim do Império Austro-Húngaro até à década de 50. Eis um voo sobre os melhores filmes de Milos Forman.

“O Baile dos Bombeiros”

1967

Das três longas-metragens que o realizador fez ainda na ex-Checoslováquia, esta é a melhor, uma sátira escarninha ao regime comunista e aos seus figurões, através de uma festa de homenagem a um dignitário de uma corporação de bombeiros voluntários da província na qual que tudo corre mal – há um incêndio, inclusive. As autoridades não gostaram nada e o filme, o primeiro de Forman a cores, foi proibido. Esta interdição, e o triste fim da Primavera de Praga, levaram-no a trocar o seu país pelos EUA.

“Voando Sobre um Ninho de Cucos”

1975

Baseado no livro homónimo de Ken Kesey, que já tinha sido uma peça na Broadway nos anos 60 com Kirk Douglas, eis um dos filmes mais emblemáticos de Forman. Jack Nicholson interpreta um delinquente que finge ter problemas mentais para ser transferido para uma clínica psiquiátrica. Uma vez lá, começa a subverter o dia-a-dia dos pacientes e a enfrentar a gélida enfermeira Ratched (Louise Fletcher), que dirige a sua enfermaria com mão de ferro. A fita é uma poderosa alegoria anti-autoritária e o cineasta explicou que Ratched representava “o Partido Comunista que me infernizou a vida no meu país”.

“Amadeus”

1984

Esta adaptação da muito fantasiosa peça de Peter Shaffer sobre a personalidade e a vida de Mozart (Tom Hulce), e sua rivalidade com  o também compositor Antonio Salieri (F. Murray Abraham), foi o último grande sucesso comercial e de crítica de Milos Forman, apesar de todas as enormes liberdades e incorrecções biográficas e históricas que o argumento apresenta. O realizador disse que “Amadeus” foi muito difícil de produzir e quase não viu a luz do dia, já que era um “filme sobre compositores mortos, música clássica e pessoas usando cabeleiras, tendo por isso tudo contra si”.

“Larry Flynt”

1996

Uma biografia do editor da revista pornográfica “Hustler”, Larry Flynt  (Woody Harrelson), que devido aos seus repetidos choques com a lei, sob a forma de processos judiciais onde era acusado de imoralidade, acabou por se transformar num improvável defensor da liberdade de expressão nos EUA. Característica que interessou Milos Forman o suficiente para lhe dedicar um filme, em que não branqueia os aspectos menos simpáticos da vida particular e da personalidade de Flynt. Forman reservou para este um pequeno papel na fita, o de um juiz tendencioso.

“Homem na Lua”

1999

Milos Forman deu a Jim Carrey um dos melhores papéis da sua vida nesta fita sobre o actor e cómico Andy Kaufman (1949-1984), praticante de um tipo de comédia muito idiossincrática que deixava por vezes o público perplexo. Kaufman, que teve um papel de destaque na série de comédia “Táxi”, exibida em Portugal, gostava de se desdobrar por várias personagens, sendo uma das mais conhecidas um cantor piroso e mal-educado chamado Tony Clifton. Imprevisível, anti-convencional, desconcertante e descompensado, Kaufman é uma das personalidades mais ao gosto de Forman, que em “Homem da Lua” está menos interessado em tentar explicar quem ele era, do que em o retratar em todo o seu enigmático e excêntrico modo de ser e entender a sua arte.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site