Rússia

A misteriosa morte do jornalista russo Maxim Borodin

Maxim Borodin terá caído do quinto andar onde vivia. Autoridades suspeitam de suicídio, mas amigo próximo relata que um dia antes de morrer fez-lhe um telefonema estranho.

Imagem de Borodin retirada da rede social Facebook

A morte de um jornalista russo que nos últimos tempos publicou algumas reportagens sobre mercenários russos na Síria está envolta em mistério. Maxim Borodin, 32 anos, foi encontrado no chão, a 12 de abril, junto ao edifício onde vivia, em Yekaterinburg, depois de ter caído do quinto andar. Estava gravemente ferido e foi levado para o hospital. Acabou por morrer.

Segundo a BBC, as autoridades dizem que tudo indica não haver mão criminosa no caso. No entanto, avançam, Borodin não deixou qualquer nota de despedida — como acontece nalguns casos de suicídio, pelo que pode também ter sido uma morte acidental.

As declarações de um amigo do jornalista, porém, indiciam outro cenário. É que, no dia anterior à sua morte, Vyacheslav Bashkov garante ter recebido uma chamada telefónica do amigo à procura de um advogado. Dava-lhe conta de que havia “alguém com uma arma na varanda da sua casa e algumas pessoas vestidas com camuflados e máscaras nas escadas de serviço”, descreveu. E que deviam estar à espera para obter um mandado de busca à sua casa. Eram 5h00 do dia 11 de abril. Mais tarde voltou a ligar a dizer que, afinal, tratava-se de um exercício policial. Também o chefe de Borodin, que trabalhava no jornal russo Novy Den, não acredita que ele tenha sido vítima de um acidente ou que tenha posto termo à vida.

As autoridades dizem, por seu turno, que a porta de casa do jornalista estava trancada por dentro, indicando que ninguém terá entrado ou saído do local.

Nas últimas semanas o jornalista escreveu sobre a unidade militar “Wagner Group”, que conta com mercenários russos que vão combater para a Síria ao lado das forças locais e na qual já existiram várias baixas. Na semana passada, um responsável da CIA informou que duas centenas de mercenários russos tinham perdido a vida num ataque com combatentes pró Síria. Borodin andava a investigar quem eram e de onde vinham estes homens.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: [email protected]
PGR

Marx, Maçonaria e Marcelo /premium

Helena Matos

O PS manda. O PCP governa-se. O BE policia. O PR diverte-se. A democracia apodrece. E, sim, porque havemos de querer contrariar este estado de coisas? Não podemos deixar-nos ir simplesmente?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)