Moçambique

Moçambique. Calamidades naturais mataram 61 pessoas de outubro a março

Entre outubro e março morreram 61 pessoas em Moçambique, na sequência de desastres naturais. Só no desabamento da lixeira Hulene morreram 16 pessoas.

ANTÓNIO SILVA/LUSA

O Instituto Nacional de Gestão de Calamidades Naturais (INGC) disse esta segunda-feira que 61 pessoas morreram vítimas de calamidades naturais entre outubro e março deste ano, uma redução de 12 óbitos em comparação com a época chuvosa 2016/2017.

Falando na apresentação do Balanço da Época Chuvosa e Ciclónica de 2017/2018, o diretor-geral do INGC, João Machatine, apontou a morte de 16 pessoas no desabamento da lixeira de Hulene, em Maputo, em fevereiro, como o fator que pesou para o número de óbitos registados entre outubro e março, devido aos desastres naturais.

No mesmo período, 22 pessoas morreram vítimas de descargas elétricas em todo o país, acrescentou João Machatine. “No período entre outubro de 2017 e março de 2018, há dois fenómenos que fugiram ao nosso controlo, a tragédia de Hulene e as descargas elétricas”, assinalou o diretor do INGC. No total, prosseguiu João Machatine, as calamidades naturais afetaram 152.246 pessoas, destruíram totalmente 7.313 casas e parcialmente 14.461 casas. As intempéries destruíram totalmente 201 casas e 463 parcialmente.

Para enfrentar os danos provocados pelas calamidades naturais, o INGC precisa de mil milhões de meticais (13,3 milhões de euros), uma vez que conseguiu mobilizar apenas 300 milhões de meticais (quatro milhões de euros) para as várias operações relacionadas com a prevenção, assistência e reconstrução.

O diretor do INGC adiantou que o país precisa de melhorar a capacidade de previsão de calamidades naturais, incorporar as ações de resiliência nos planos económicos e sociais em todos os setores e concluir a Estratégia Nacional de Resiliência às Infraestruturas.

A penalização de pessoas que ocupam e constroem habitações em zonas propensas às calamidades naturais, operacionalização do fundo de gestão de calamidades e a criação de um seguro contra desastres naturais são outras das intervenções importantes, acrescentou.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
França

Da fúria à revolta: a cidadania em armas.

Bernardo Marinho da Mata

Será que o movimento dos coletes amarelos resultará numa Revolução Europeia, como certos grupos acreditam? Possivelmente não, pois não haverá financiamento que os permita persistir em força no tempo.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)