Economia

Risco de recessão na Alemanha sobe com risco de guerra comercial entre EUA e China

Subida do indicador foi atribuída a uma "descida notável da produção industrial e à perspetiva de um conflito comercial entre as principais economias mundiais.

HAYOUNG JEON/EPA

O indicador de risco de uma recessão na Alemanha subiu consideravelmente, de 6,8% para 32,4%, devido à ameaça de guerra comercial entre a China e os EUA, divulgou esta segunda-feira o Instituto de Investigação Económica e de Conjuntura Económica alemão (IMK). Este instituto quase que quintuplicou o valor do indicador que mede o risco de uma recessão no país, elevando-o para um nível desconhecido desde há mais de dois anos.

O IMK, que mede mensal e trimestralmente os dados relevantes da conjuntura, subiu agora o valor do indicador para 32,4%, com referência ao período de abril a junho. A subida do indicador foi atribuída a uma “descida notável da produção industrial, bem como à deterioração dos indicadores de confiança, devido à perspetiva de um conflito comercial entre as principais economias mundiais.

Relativiza porém com dados que contrariam este risco, como a manutenção do contexto positivo para o financiamento das empresas. Apesar da acentuada subida do risco, previu que a atual tendência de crescimento da economia alemã vai manter-se, esteando um crescimento médio anual de 2,4% em 2018.

Advertiu que se a tendência negativa se consolidar, vai ter de rever em baixa esta previsão. O IMK instou ainda a que os dirigentes da política económica “aumentem a atenção”, salientando que deve evitar-se o reforço da instabilidade nos mercados financeiros.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Finanças Públicas

O esbulho fiscal

Luís Aguiar-Conraria
189

Se é verdade que a nossa carga fiscal está ligeiramente abaixo da média da União Europeia, também é verdade que o nosso esforço fiscal está muito acima da média. Está, por exemplo, 37% acima do alemão

Impostos

Ode ao Portal das Finanças

José Miguel Pinto dos Santos
109

Pode ser que o Portal das Finanças tenha reduzido atritos entre cobradores e contribuintes, mas uma carga fiscal excessiva continuará sempre a gerar fuga aos impostos através de uma economia paralela

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

Detalhes da assinatura

Acesso ilimitado a todos os artigos do Observador, na Web e nas Apps, até três dispositivos.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Inicie a sessão

Ou registe-se

Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)