Facebook

Universidade de Cambridge responde às suspeitas levantadas por Mark Zuckerberg

Universidade de Cambridge está "surpreendida" com as declarações do líder do Facebook, no Congresso norte-americano, sobre o programa dos investigadores que recorrem à plataforma para testar apps.

Mark Zuckerberg esteve a ser ouvido no Congresso na última terça-feira e quarta-feira

Getty Images

Mark Zuckerberg esteve no Congresso norte-americano na semana passada a responder a perguntas no Senado e na Câmara dos Representantes durante 10 horas. Na segunda audição, o líder do Facebook disse que Alexander Kogan (o programador que vendeu os dados de 87 milhões de utilizadores à Cambridge Analytica) não era o único investigador da Universidade de Cambridge que estava usar a plataforma do Facebook para testar apps e que só agora tinha descoberto que a instituição tinha um programa que permitia a vários investigadores usarem dados dos utilizadores da rede social e de amigos.

No Congresso, o empresário acabou por dizer que era preciso saber “se estava a acontecer alguma coisa má na Universidade de Cambridge, que exigia uma reação mais forte” por parte do Facebook.

Em comunicado, a prestigiada universidade britânica disse que estava “surpreendida” com o facto de Zuckerberg só agora ter tido conhecimento do número de investigadores que estudam o que os dados do Facebook dizem sobre a personalidade dos utilizadores.

Os nossos investigadores têm vindo a publicar estudos destes em jornais científicos, desde 2003, e esses estudos têm sido difundidos amplamente por órgãos de comunicação internacionais”, escreveu a universidade num comunicado citado pela Bloomberg.

O Cambridge Psychometrics Centre, que pertence à mesma universidade, dedica-se a desenvolver ferramentas de avaliação psicológica, testes de personalidade e ferramentas de software que podem avaliar a personalidade dos utilizadores a partir de dados online.

O interface Apply Magic Sauce é um dos resultados das investigações do centro e permite que outras empresas acedam a dados do Facebook e do Twitter. Exemplos: a empresa de relações públicas Grayling Communications, que usou o interface para criar três aplicações de Facebook para a cadeia de hotéis norte-americana Hilton, a empresa de software alemã SAP e o grupo de recrutamento espanhol Grupo Effort, entre outras.  Os dados que recolhem são fornecidos com o consentimento dos utilizadores e não há provas de que tenham utilizado indevidamente dados provenientes de redes sociais.

A empresa de análise de dados nova-iorquina Cubeyou, que foi suspensa do Facebook depois de terem surgido queixas de que usaria dados pessoais de utilizadores para propósitos comerciais sob o pretexto de “investigação académica”, afirmou que o seu teste de personalidade também tinha sido desenvolvida pelo Cambridge Psychometrics Centre”. Mas a instituição veio defender-se e disse que a ligação da empresa ao centro foi “exagerada” pela Cubeyou.

De acordo com uma fonte próxima do processo, quando Alexander Kogan tentou vender os dados à Cambridge Analytica, a afiliada britânica SCL contactou o Cambridge Psychometrics Center e informou os responsáveis sobre a iniciativa do investigador. Segundo o Financial Times, os advogados da universidade também chegaram a trocar emails com Kogan sobre direitos de propriedade intelectual, mas a universidade terá desistido da queixa.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: apimentel@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)