RTP

Moita Flores diz que o pagamento da empresa Águas de Santarém à RTP foi legal

Moita Flores, presidente da Câmara Municipal de Santarém em 2012 e por inerência da Águas de Santarém, empresa que foi alvo de buscas, disse que o pagamento à RTP "foi legal".

PAULO CUNHA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

Moita Flores, presidente da Câmara Municipal de Santarém em 2012 e por inerência da Águas de Santarém, empresa que foi esta terça-feira alvo de buscas, disse à Lusa estar de “consciência tranquila” e que o pagamento à RTP “foi legal”.

“Não há nada para explicar. Foi tudo legal e se fosse hoje fazia exatamente o mesmo”, afirmou Moita Flores à Lusa, depois de se ver implicado numa investigação do Ministério Público que hoje realizou buscas à sede da RTP e nos serviços de empresa municipal Águas de Santarém para apurar em que circunstâncias a empresa pagou duas faturas sobre os custos da gravação do programa “Justiça Cega” do qual era comentador residente e remunerado.

Moita Flores explicou que um dos programas “Justiça Cega”, que debatia temas da atualidade relacionadas com a justiça, foi transmitido em direto nas instalações do Tribunal da Concorrência Regulação e Supervisão e que a empresa Águas de Santarém pagou à RTP pela produção.

“Do ponto de vista jurídico, não há nada ilegal nesta parceria. A ideia foi dar a conhecer o novo tribunal”, garantiu o antigo presidente da câmara, adiantando que, na altura, já não era remunerado como comentador residente do programa.

Para Moita Flores, a investigação deste caso começou com cartas anónimas “de cobardolas e gente pérfida”, garantindo estar tranquilo porque “não houve nada de ilegal no pagamento”.

O Departamento de Investigação e Ação Penal de Évora emitiu um comunicado referindo que estão a ser investigadas “as circunstâncias em que uma empresa municipal efetuou o pagamento de duas faturas relativas aos custos associados a gravação de um programa de informação da RTP em que era comentador residente remunerado um administrador da empresa municipal” e que não há arguidos.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Mar

Bruno Bobone: «do medo ao sucesso»

Gonçalo Magalhães Collaço

Não, Portugal não é uma «nação viciada no medo» - mas devia realmente ter «medo», muito «medo», do terrível condicionamento mental a que se encontra sujeito e que tudo vai devastadoramente degradando.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)