Rádio Observador

Angola

Presidente da UNITA afirma que em Angola impera o mesmo regime de 1975

O presidente da UNITA, Isaías Samakuva, considerou esta terça-feira que o país "não tem novo paradigma de governação" e o que "impera atualmente em Angola é o mesmo regime de 1975".

STR/EPA

Autor
  • Agência Lusa

“O paradigma do partido/Estado traduz-se na captura das instituições do Estado e da economia pelo partido dominante, para assegurar o controlo da riqueza nacional e dos recursos públicos por uma só família política, sem competição real”, afirmou esta terça-feira, em conferência de imprensa, o líder da União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA), o maior partido da oposição em Angola.

Falando, em Luanda, sobre a atualidade sociopolítica e económica do país, Samakuva referiu igualmente que “as promessas de mudanças ainda não se converteram numa esperança fundada para um futuro melhor para os angolanos”, numa alusão à nova governação angolana, liderada por João Lourenço, eleito Presidente da República em agosto de 2017, pelo Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA). Para Isaías Samakuva, o paradigma reinante em Angola é “de exclusão” onde instituições de soberania como a Assembleia Nacional, tribunais e a Comissão Nacional Eleitoral “são instrumentos” do partido MPLA.

“Não havendo contrapoderes efetivos” ao poder do MPLA e do Presidente da República, e tendo o Estado sido “capturado” por aquele partido, “logo, estão criadas as condições objetivas para a institucionalização da corrupção”, sublinhou. O combate à corrupção em Angola, um dos grandes propósitos do executivo liderado por João Lourenço, segundo o político da UNITA, só será possível se o Estado deixar de ficar subordinado ao MPLA, partido no poder desde 1975.

“Como é que um Estado capturado por um partido que se funda na corrupção e sobrevive na corrupção vai combater a corrupção e manter-se intacto”, questionou. Comentando a alegada bicefalia no MPLA, entre o ex-Presidente angolano, José Eduardo dos Santos, presidente do partido, e o Presidente angolano, João Lourenço, vice-presidente do MPLA, Isaías Sakamuva afirmou que a mesma “é prática, real e funcional”.

“Resulta do facto de o Estado ter sido capturado por um partido político, ou seja, há uma fusão orgânica e funcional entre o Estado e o MPLA, de tal forma que a autoridade do chefe de Estado só é eficaz se ele for a autoridade máxima do MPLA”, adiantou.

Tendo ainda acrescentado que “esta fusão orgânica e funcional entre o MPLA e o Estado é que precisa ser rompida” e que o “objetivo político da transição não deve ser o reforço do controlo do partido MPLA pelo chefe de Estado, mas sim a despartidarização do Estado”.

De acordo com Isaías Samakuva, “transformar a luta da UNITA contra a corrupção em política oficial do titular do poder executivo pode ser um passo posso positivo, em direção à segunda libertação do país, mas não é suficiente para a concretizar”. Pois, entende, a “dimensão moral e material da endemia revela-nos que a única saída é a mudança estrutural”.

“E mudança significa alternância. Sem a efetiva despartidarização do Estado, o combate à corrupção será mais uma conversa para o boi dormir, como se diz na gíria”, realçou. Num olhar às recentes denúncias do Ministério das Finanças, de que cerca de 25% da dívida pública angolana “era fraudulenta”, o presidente da UNITA questionou as referidas mudanças, aventando números maiores da alegada dívida pública forjada.

“Quem garante que a parte fraudulenta da dívida pública seja mesmo 25% e não 50% ou 70%? Como podemos saber ao certo se não investigarmos? Afinal, o que é que se procura esconder”, questionou ainda. Na sua intervenção, Isaías Samakuva considerou também que a “situação económica das famílias e das empresas continua a agravar-se, o estado da saúde no país é uma calamidade nacional”, acrescentando os “altos índices de criminalidade e desigualdades sociais pelo país”.

“O problema não reside apenas nas baixas verbas afetadas para cada setor no Orçamento Geral do Estado [OGE]. O problema reside na eficiência da execução do OGE. O dinheiro que lá põem depois é desviado e nunca chega ao destino pretendido”, rematou.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)