Rádio Observador

Inovação

Já pensou em comer as cascas da batata que deitou para o lixo?

154

Um novo projeto da Universidade do Minho quer aproveitar os restos dos alimentos que são deitados para o lixo para dar origem a comida saudável. Assim ingerimos menos químicos. E ajuda-se o ambiente.

Getty Images/iStockphoto

Em Portugal desperdiça-se um milhão de toneladas de alimentos por ano. Mas um novo projeto desenvolvido pelo Centro de Engenharia Biológica da Universidade do Minho descobriu um destino mais promissor para a comida que os portugueses mandam para o lixo e que acabaria nos aterros sanitários: a ideia é pegar na comida rejeitada pelas pessoas, extrair componentes saudáveis para o humano e criar novos produtos que a indústria alimentar possa usar no lugar dos químicos. Se este plano chegar a bom porto, a comida que compramos no supermercado vai tornar-se mais saudável. E a esmagadora pegada ecológica criada pela indústria alimentar também se reduz.

Quem o explica ao Observador é António Vicente, professor e investigador responsável por este projeto: “Vamos imaginar uma empresa de polpa de fruta. A empresa utiliza a polpa de um tomate, por exemplo, mas há subprodutos ricos em nutrientes e com propriedades interessantes para os humanos que são rejeitados. O que nós queremos fazer é extrair componentes que são benéficos para a saúde humana e reutilizá-los, introduzindo-os noutros alimentos”. Isto significa que as cascas de batata ou de limão que são atiradas para o lixo podem dar origem a antioxidantes ou a corantes naturais que outras empresas podem usar como alternativa aos químicos artificiais que normalmente entram na receita dos alimentos.

De acordo com o Centro de Engenharia Biológica, os novos alimentos nascidos dos excedentes alimentares podem ser mais ricos em vitaminas, nutrientes e minerais. Atualmente, o projeto já consegue extraír componentes vindos de bagaço de uva, soro de leite, cascas de castanha, pele de tomate ou cascas de batata. O soro de leite, por exemplo, já deu origem a vários tipos de géis de proteína depois de ter sido rejeitado pelas fábricas de queijo. Esses géis proteicos são enriquecidos com vitaminas e minerais para depois serem vendidos novamente para as empresas da indústria alimentar: uma parte é utilizada da produção de alimentos energéticos úteis a desportistas de alto rendimento, enquanto outra parte pode ser aplicada em revestimentos para proteção de produtos alimentares, como os queijos ou a charcutaria. “A nossa ideia é ir um pouco mais além e aplicar esta ideia a outros setores, como o da saúde e da cosmética”, conta António Vicente.

Este plano “permite criar produtos alimentares muito pouco processados”, explica o investigador, além de “possibilitar o reaproveitamento dos biorrecursos existentes”, concretiza a Universidade do Minho na página dedicada aos projetos que tem em andamento. E não é apenas o corpo humano que beneficia com esta reciclagem alimentar: o facto de se aproveitar os recursos armazenados nas partes dos alimentos que normalmente são mandados para o lixo, como o que acontece no setor do vinho e dos frutos, os níveis de eficiência ecológica deste projeto ultrapassa os 95%.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mlferreira@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)