627kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Sporting-FC Porto. As quatro diferenças entre a primeira e a segunda mão da Taça (dois meses e meio depois)

Este artigo tem mais de 5 anos

Dois meses e meio depois, Sporting e FC Porto jogam a segunda mão das meias da Taça. Pelo meio, houve a crise leonina, o regresso de Marega, o clássico na Luz e lesões que condicionam este reencontro.

Soares marcou o único golo da primeira mão da meia-final da Taça de Portugal no Dragão
i

Soares marcou o único golo da primeira mão da meia-final da Taça de Portugal no Dragão

AFP/Getty Images

Soares marcou o único golo da primeira mão da meia-final da Taça de Portugal no Dragão

AFP/Getty Images

O Sporting-FC Porto sempre foi um clássico, mas o termo ganha redobrado valor na presente temporada: entre o início de outubro e o meio de abril, esta será a quinta vez que leões e dragões se vão defrontar em três competições distintas. Neste caso, sem pontos em disputa mas com o passaporte para o Jamor à distância de 90 minutos (ou 120, em caso de prolongamento).

A 7 de fevereiro, e depois de dois nulos no Campeonato (em Alvalade) e na meia-final da Taça da Liga (em Braga, com triunfo dos verde e brancos nas grandes penalidades), os portistas conseguiram quebrar a “maldição” das balizas com um golo de Soares na segunda parte, que dá agora vantagem aos comandados de Sérgio Conceição para a segunda mão (mais tarde, na 25.ª jornada da Primeira Liga, os azuis e brancos ganharam no Dragão por 2-1). Dois meses e meio depois, o FC Porto continua na frente do Campeonato, o Sporting mantém o terceiro lugar a cinco pontos mas muita coisa mudou na realidade das duas equipas. E estas são as principais diferenças, entre a crise leonina e o clássico na Luz decidido ao minuto 90.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A crise (e redenção) em Alvalade no pós-derrota em Madrid

Se olharmos para os resultados do Sporting depois da derrota em Madrid, quase parece que esse resultado acabou por servir de “inspiração” para a retoma em termos de produção: os leões ganharam ao P. Ferreira em Alvalade (2-0), tiveram uma das melhores exibições na receção ao Atl. Madrid (apesar da eliminação, com o 1-0 a ser curto para inverter a derrota por 2-0 na primeira mão) e somaram novo triunfo na deslocação ao Restelo (4-3). Hoje é complicado acreditar nos dias conturbados que se seguiram a esse jogo em Espanha, mas os mesmos deixaram feridas que, ainda que não sejam agora tão faladas, existem e continuam abertas. É também por isso que este clássico assume especial importância para os leões, que podem carimbar a passagem à final da Taça de Portugal numa temporada onde chegaram aos quartos da Liga Europa e já ganharam a Taça da Liga.

O balão de confiança que veio do clássico… para os dois lados

O golo de Herrera no último minuto do clássico na Luz com o Benfica colocou o FC Porto na frente do Campeonato e tendo vantagem direta sobre os encarnados, naquele que pode ter sido o encontro decisivo para encontrar o vencedor do título esta temporada. Os portistas ficaram depois a estagiar em Troia, com um ambiente naturalmente de confiança depois do resultado frente às águias, e partem para esta segunda mão da Taça de Portugal com a certeza de que um triunfo poderá não só levar a equipa à “dobradinha” mas também confirmar os dragões como conjunto mais forte entre “grandes” em 2017/18. Em paralelo, houve um outro dado curioso que saiu do clássico: numa altura em que já está fora das provas europeias, a derrota do Benfica deu outro ânimo ao Sporting, que passou assim a depender apenas de si para alcançar o segundo lugar na Liga.

O regresso de Marega e a ausência de William Carvalho

O clássico na Luz foi marcado pelo regresso de Marega à competição quase um mês e meio depois de paragem por lesão muscular. O maliano não marcou (apesar de ter desperdiçado duas boas oportunidades), mas notou-se uma diferença no jogo do FC Porto, com uma maior exploração da profundidade e o regresso às nuances táticas no jogo que tão depressa colocam os dragões num 4x4x2 clássico como transformam a equipa num 4x3x3, com um dos alas a jogar mais por dentro e o avançado a descair mais sobre a direita. Sérgio Conceição ganhou aí o seu trunfo (que tanto pode ser titular como entrar no decorrer da partida, o que pode fazer ainda mais mossa na defesa contrária pela capacidade de explosão), Jorge Jesus continua sem o seu: apesar das boas exibições de Battaglia como ‘6’, o Sporting tem outro critério de saída na primeira fase de construção quando William Carvalho está em campo, além de dar outra margem a Bruno Fernandes no plano ofensivo. E o médio vai falhar também o clássico.

Os três centrais (que não se repetem), os dois avançados e outras nuances

Jorge Jesus tem tentado surpreender Sérgio Conceição nos clássicos esta temporada e, entre o modelo clássico com Bruno Fernandes nas costas de Bas Dost, a colocação do médio a ‘8’ e os três centrais, leva 360 minutos com dois empates (um deles transformado em vitória nas grandes penalidades, na meia-final da Taça da Liga), duas derrotas e nenhum golo marcado. No jogo da primeira mão da meia-final da Taça de Portugal, a opção recaiu em Piccini como terceiro defesa/central e a dupla Ristovski-Fábio Coentrão a fazer as alas, um cenário que teve grande resultado com o Atl. Madrid (neste caso, com Acuña na esquerda como lateral/ala) mas que não deverá ser repetido tendo em conta a condição física de André Pinto e Mathieu. Do lado dos dragões, e com toda a artilharia à exceção de Danilo Pereira pronta para ir a jogo, a opção pelos dois avançados deve manter-se, restando apenas saber como está Marega em termos físicos para se perceber se será ou não titular. Uma coisa é certa: contra uma das equipas que mais golos marca de bola parada e em lances pelo ar, os leões ficarão mais expostos na defesa.

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.