Astronomia

Um asteróide com o tamanho de um campo de futebol passou resvés à Terra. E a NASA não deu por isso

812

Um asteróide passou perto da Terra no sábado e a NASA só o viu chegar a 21 horas da aproximação. O corpo era demasiado pequeno para ser visto. Mas outros ainda menores já feriram centenas de pessoas.

Getty Images/iStockphoto

Um asteróide com o tamanho de um campo de futebol passou aqui mesmo ao lado, a metade da distância entre a Terra e a Lua, no último sábado. Os cientistas da NASA, a agência espacial norte-americano, observaram-no a partir do estado do Arizona, mas só deram por ele a menos de um dia da aproximação do corpo celeste ao planeta a uma velocidade de 106 mil quilómetros por hora. Estas informações foram partilhadas pela NASA numa página onde a agência monitoriza a aproximação de objetos cuja órbita em redor do Sol os pode levar a passar junto ao planeta Terra.

A distração da agência espacial sediada na capital dos Estados Unidos tem justificação: embora grande para a escala humana, o asteróide 2018 GE3 tem um tamanho muito reduzido à escala espacial. O comprimento deste corpo celeste não ultrapassa os 100 metros e, como quase todos os asteroides, é pequeno e escuro, move-se muito depressa e é preciso que os telescópios estejam a postos no lugar certo e à hora certo para ser visto. Além disso, o programa de monitorização da NASA só costuma estar atento a objetos que tenham mais de 14o metros de comprimento: o 2018 GE3 pode só ter três quartos desse tamanho.

Claro que, logo que a NASA anunciou a chegada de um asteróide 21 horas antes do evento, outros astrónomos ficaram de olhos pregados ao céu. Um deles foi Andrew Rader, um engenheiro da SpaceX que foi para o Twitter partilhar uma colagem de fotografias feitas por Michael Jäger e que mostram a aproximação do asteroide à Terra. É que essa aproximação pode ter sido mesmo perigosa para a Terra: bastava que a órbita do asteroide o pusesse mais próximo do planeta para “destruir facilmente uma cidade”, como avisou o cientista.

Ainda temos na memória as consequências do impacto de um asteroide aparentemente inofensivo que provocou grandes estragos quando chegaram à Terra porque não foram completamente consumidos pela atmosfera. Há cinco anos, um asteroide três a seis vezes mais pequeno que o 2018 GE3 feriu mais de 1.200 pessoas e causou estragos a milhares de edifícios em Chelyabinsk, na Rússia.

Um evento ainda mais impressionante ocorreu em 1908, quando outro asteróide 3,6 vezes mais pequeno do que este caiu na floresta da Sibéria e destruiu por completo dois mil quilómetros quadrados de área. Esse corpo celeste tinha 185 vezes mais energia do que a bomba de Hiroshima. A NASA descreveu o evento assim: “Um homem está sentado na varanda da frente de um posto comercial em Vanavara, na Sibéria. Mal sabe ele que, alguns momentos depois, será arremessado da cadeira e o calor será tão intenso que sentirá como se a camisa estivesse em chamas. Foi assim que o evento de Tunguska se sentiu a 64 quilómetros do marco zero”, isto é, do sítio onde o asteróide efetivamente caiu.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mlferreira@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)