Volta a Portugal

Volta a Portugal de 2018 termina com contrarrelógio em Fafe

A Volta a Portugal em bicicleta de 2018 vai terminar com um contrarrelógio em Fafe, em 12 de agosto, anunciou hoje a organização da prova, em comunicado.

NUNO VEIGA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A Volta a Portugal em bicicleta de 2018 vai terminar com um contrarrelógio em Fafe, em 12 de agosto, anunciou hoje a organização da prova, em comunicado. A cidade minhota vai, assim, pela primeira vez receber o final da Volta a Portugal, com um ‘crono’ ainda a ser preparado pela autarquia local e pela organização, que espera que seja “decisivo para manter até ao fim a incerteza quanto ao desfecho da competição”.

Em 2017, a ‘grandíssima’ também passou por Fafe, recebendo uma final de etapa, que passou pelo mítico salto da Pedra Sentada, do Rali de Portugal e que foi ganha por Rui Sousa, naquela que foi a última vitória da carreira profissional do ciclismo.

“Nos últimos anos, Fafe consolidou-se como uma das mais importantes autarquias da Volta a Portugal e o facto de ter sido escolhida para receber o final da 80.ª edição foi perfeitamente merecido”, disse Joaquim Gomes, diretor da corrida, que acredita que “a Praça 25 de abril, vulgarmente conhecida como a sala de visitas do Minho, vai constituir-se como um palco fantástico de final de competição”.

O presidente da Câmara Municipal de Fafe, Raul da Cunha, considerou que o nome da cidade “estará permanentemente ligado à próxima Volta a Portugal”.

“A Volta a Portugal tem grande mediatização e é acompanhada com muito entusiasmo pelos adeptos que seguem a prova ao detalhe, e por isso este é um investimento importante para desenvolver o turismo da nossa região”, referiu.

Com 32 presenças na Volta a Portugal, Fafe já recebeu por duas vezes, em 2011 e 2014, o início da prova. A 80.ª Volta a Portugal realiza-se de 1 a 12 de agosto.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
10 de junho

A função social da esquerda /premium

Rui Ramos

Talvez a direita, noutros tempos, tenha tido o papel de nos lembrar que não somos todos iguais. As reacções ao discurso de João Miguel Tavares sugerem que essa função social é hoje da esquerda.

PAN

A culpa como arma final /premium

André Abrantes Amaral

Antes o pecador ia para o Inferno; agora destrói a Terra. A Igreja falava em nome de Deus; o PAN fala em nome do planeta. Onde foi buscar tal ideia é o que a democracia tem tido dificuldade em perguntar

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)