210 minutos depois, FC Porto e Sporting marcaram um golo cada um, os azuis e brancos falharam um penálti e os de Alvalade não falharam nenhum. O Sporting vai à final do Jamor discutir a Taça de Portugal com o Desp. Aves e Jorge Jesus elogiou a inteligência dos jogadores. Já Sérgio Conceição falou também dos postes: o que deu o golo de Coates e o que impediu o golo de Marcano.

Na flash interview, Jorge Jesus destacou o desempenho da equipa e afirmou que “o segredo do jogo esteve na inteligência dos jogadores”. Para o treinador do Sporting, os jogadores verde e brancos “foram muito inteligentes porque nunca se precipitaram”. O técnico leonino comentou ainda as dificuldades físicas dos jogadores do Sporting – de que já tinha falado na antevisão da partida – e respondeu a Sérgio Conceição: na antevisão, Jesus tinha dito que o FC Porto “só tinha feito um joguinho no domingo”, referindo-se ao encontro com o Benfica, e o Sporting tinha muitos jogos acumulados. O treinador portista respondeu, de forma meio a sério, meio a brincar com a expressão “joguinho”, e o técnico verde e branco explicou agora que o Sporting “anda a fazer seis, sete, oito joguinhos e não tem tempo para descansar”.

Jorge Jesus revelou ainda que a sua estratégia não era marcar nos primeiros minutos de jogo nem sequer na primeira parte – para o treinador leonino, o importante era marcar primeiro. O técnico justificou ainda a surpreendente substituição de Bas Dost, para a entrada de Doumbia, explicando que Montero também é um grande marcador de e “Dost estava esgotado”.

Em relação à final do Jamor, Jorge Jesus garante que “nas finais não há favoritos”, mas o Sporting quer garantir a conquista da Taça de Portugal – título que a equipa de Alvalade venceu pela última vez em 2015.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Já Sérgio Conceição, que surgiu na zona de entrevistas rápidas já depois da meia-noite, desabafou que “ninguém gosta de perder” mas defendeu que a equipa azul e branca merecia ser “finalista dentro do tempo de jogo”. O treinador do FC Porto revelou que, no momento em que substitui Óliver Torres, tinha “o jogo completamente controlado” e enviou uma mensagem para “os comentadores que dizem que faz substituições conservadoras”.

O técnico azul e branco, que repetiu várias vezes que o Campeonato é o principal e mais importante objetivo do FC Porto, resumiu o resultado da meia-final da Taça de Portugal à sorte e aos postes: o poste que empurrou o remate de Coates para dentro da baliza e o poste que impediu o penálti de Marcano de ser convertido, já depois de ter acertado na trave pouco depois do golo do uruguaio que levou a decisão para prolongamento.