O banco moçambicano Millennium Bim, um dos principais do país, registou um resultado líquido positivo de 5,5 mil milhões de meticais (74 milhões de euros) em 2017, um crescimento anual de 23,6%, de acordo com o relatório da instituição consultado esta quinta-feira pela Lusa.

O ambiente macroeconómico “continuou desafiante no ano de 2017”, destaca o documento na avaliação à situação vivida em Moçambique. O banco destaca a “desaceleração do Produto Interno Bruto nacional para um nível historicamente baixo que resultou da fraca procura agregada, influenciada pelas condições monetárias restritivas e pela diminuição do investimento privado”.

Do lado positivo, “num contexto político favorável, verificou-se uma melhoria substancial de alguns indicadores económicos”, nota o Millenium Bim. Entre eles, destaca “a estabilização do metical, o abrandamento da inflação doméstica e, consequentemente, a redução gradual das taxas de juro de referência no mercado interbancário”.

No entanto, as taxas continuam altas (a ‘prime rate’, indicador de referência, é de 24,5%) o que fez com que o crédito bancário ao setor privado em Moçambique caísse de uma forma geral 11% em relação a 2016. O Millenium Bim reconhece que “os efeitos dos choques económicos” que o banco enfrentou desde 2016 “implicaram a adoção de uma postura creditícia conservadora do sistema bancário que se refletiu no arrefecimento do crédito à economia ao longo de 2017”.

“Neste contexto, o Míllennium Bim continuou a implementar medidas preventivas com objetivo de garantir um acompanhamento rigoroso da carteira de crédito e monitorização dos riscos”, acrescenta o relatório.

Após anos de crescimento, o crédito a clientes caiu 21,6% em 2017 face ao ano anterior, fixando-se em 61 mil milhões de meticais (812 milhões de euros). A percentagem de crédito em incumprimento no Millenium Bim subiu de 4,04% para 5,55% em 2017 e o custo de risco saltou de 188 pontos base para 262.

O índice de solvabilidade estimado de 17.1% está “consideravelmente acima do limite regulamentar de 8%” e, segundo o banco, “reflete a resiliência e solidez financeira da instituição”.

Noutros dados, o banco reforçou o ativo total em 0,9% para cerca de 135 mil milhões de meticais (1,8 mil milhões de euros), tendo os recursos totais de clientes subido 3,6% para 104 mil milhões de meticais (1,3 mil milhões de euros). Os principais acionistas do Millennium Bim são o português BCP (66,6% do capital) e o Estado de Moçambique (17,2% do capital).