Um dos truques mais misteriosos e de maior sucesso do mágico David Copperfield foi revelado em tribunal. O americano está a ser processado por um britânico que diz ter sofrido lesões cerebrais irreversíveis ao participar na ilusão. Gavin Cox, o homem em questão, estava a assistir a um espetáculo de Copperfield em Las Vegas, em 2013, quando foi selecionado para participar num truque em 13 pessoas do público aparentemente desaparecem.

O homem de 58 anos diz ter sofrido lesões cerebrais irreversíveis e uma grave lesão no ombro depois de cair nos escombros de um local de construção durante o truque: a despesa hospitalar de Gavin Cox terá ascendido aos 400 mil dólares. Os advogados de David Copperfield interpuseram vários recursos para tornar o processo interdito ao público e, dessa maneira, evitar a revelação dos segredos da ilusão – mas foram todos recusados. Foi Chris Kenner, amigo pessoal do mágico e produtor executivo, que acabou por explicar detalhadamente o truque ao júri.

O Independent conta que o produtor explicou que as 13 pessoas selecionadas são levadas por assistentes de palco para um caminho rodeado de cortinas pretas: a travessia inclui passagens secretas e a zona de bastidores até os participantes chegarem novamente ao palco, onde “reaparecem” para o grande final do truque. O caminho, sempre às escuras, é feito ao longo de solos de linóleo, cimento e carpetes.

Os advogados de Gavin Cox alegaram que a travessia é perigosa e que os participantes não são avisados sobre o caminho que têm de percorrer até já lá estarem. Já a defesa do MGM Grand Hotel, o local do espetáculo de 2013 onde aconteceu o acidente, garantiu que David Copperfield fez aquele exato caminho 10 minutos antes de Cox cair. Para o advogado, o mágico norte-americano teria avisado um assistente de palco se detetasse quaisquer problemas ao longo da travessia. O processo vai continuar a decorrer.