Rádio Observador

Venezuela

A democracia e os direitos humanos deterioraram-se dramaticamente na Venezuela

Relatório anual publicado esta sexta-feira pelo Departamento de Estado dos EUA destaca que desde há mais de uma década que o poder político se concentrou num único partido.

MIGUEL GUTIERREZ/EPA

A Democracia e os Direitos Humanos deterioraram-se dramaticamente na Venezuela, onde as forças de segurança e os “coletivos” (motociclistas armados afetos ao regime) protagonizaram assassinatos, refere o relatório anual publicado esta sexta-feira pelo Departamento de Estado dos EUA. “A governação democrática e os Direitos Humanos deterioraram-se dramaticamente como resultado de uma campanha do Governo de Nicolás Maduro, para consolidar o seu poder”, refere o documento.

O documento explica que a Venezuela é uma República multipartidária, mas desde há mais de uma década que o poder político se concentrou num único partido, com um executivo cada vez mais autoritário que controla os poderes legislativo, judicial, dos cidadãos e eleitoral. O estudo refere também que o Supremo Tribunal de Justiça (STJ) “determinou” que Nicolás Maduro ganhou as eleições presidenciais de 2013 apesar de denúncias de fraude pré e pós-eleitoral, incluindo a interferência do Governo, o uso de recursos do Estado pelo partido no poder e a manipulação de eleitores.

Por outro lado, explica que a oposição ganhou as eleições legislativas de 2015, com a maioria classificada de dois terços da Assembleia Nacional, mas que o executivo usou o STJ para debilitar o papel constitucional e legislador do parlamento, assim também para ignorar a separação de poderes e permitir ao Presidente governar por decretos de emergência. “As autoridades civis mantiveram um controle efetivo, embora politizado, sobre as forças de segurança”, sublinha.

O relatório refere que “as questões mais significativas de Direitos Humanos incluíram assassinatos pelas forças de segurança e por ‘coletivos’ patrocinados pelo governo; tortura pelas forças de segurança; condições carcerárias severas e ameaçadoras da vida; detenções arbitrárias generalizadas e presos políticos”. “Governo interferiu ilegalmente nos direitos de privacidade, usou tribunais militares para julgar civis e ignorou as ordens judiciais para libertar prisioneiros (…). Rotineiramente bloqueava os sinais, interferia nas operações ou desligava a televisão, a rádio e outros meios de comunicação privados”, explica.

Segundo o Departamento de Estado, a lei criminalizou as críticas ao Governo na Venezuela e o executivo ameaçou duramente e deteve jornalistas críticos, usou a violência para reprimir manifestações pacíficas e impôs restrições legais à possibilidade das ONG receberem financiamento do estrangeiro. “Outras questões incluíram a interferência na liberdade de movimento, o estabelecimento de instituições ilegítimas para substituir representantes democraticamente eleitos, a corrupção generalizada e a impunidade entre todas as forças de segurança e em escritórios governamentais nacionais e estaduais, inclusive nos níveis mais altos, a violência contra as mulheres, incluindo violência letal, o tráfico de pessoas e as piores formas de trabalho infantil, que o Governo fez esforços mínimos para eliminar”, adianta a nota.

Segundo o relatório, o Governo venezuelano “não tomou medidas efetivas para combater a impunidade que permeou todos os níveis da burocracia civil e das forças de segurança”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)