Exploração Espacial

Como é uma ida ao WC no espaço?

As casas de banho são utilizadas nas estações espaciais. Quando os astronautas têm que usar os fatos espaciais durante oito a 12 horas, têm que utilizar fraldas de alta absorção.

NASA via Getty Images

Autor
  • Tiago Palma

Como? A resposta é com “engenho”. Afinal, o ambiente é de gravidade zero no espaço. À BBC, Jerry Swain, da NASA, explicou que quando tem que urinar, o astronauta fá-lo para um tubo que aspira a urina. Esta será posteriormente transformada em água potável através do Urine Processor Assembly Hardware Improvements Investigation, um processo de destilação em vácuo que utiliza a centrifugação para compensar a falta de gravidade. Porém, e quando os resíduos são sólidos e não líquidos, a sucção continua a ser essencial. Depois de aspirados, os dejetos são armazenados num recipiente que, para uma tripulação de oito astronautas, precisa de ser substituída em média de 10 em 10 dias.

As casas de banho são utilizadas apenas em viagens de longa duração e nas estações espaciais. Quando os astronautas têm que usar os seus fatos espaciais durante oito a 12 horas, têm que utilizar fraldas de alta absorção.

Em 2016, em parceria com a HeroX, a NASA lançou o desafio Space Poop Challenge. Qualquer um podia enviar projetos para um dispositivo, discreto, que pudesse armazenar tanto a urina, como as fezes e a menstruação dentro do próprio fato espacial do astronauta. O prémio para o projeto vencedor era de cerca de 30 mil dólares. E o vencedor do projeto foi o cirurgião Tatcher Cardon, que desenhou um compartimento que cabe na parte inferior do fato espacial, compartimento que, por sua vez, tem uma abertura que permite aos astronautas mudar as fraldas ou as roupas interiores expansíveis. A inspiração do projeto foram as cirurgias invasivas, grandes operações com pequenos cortes.

[Um vídeo publicado pela Agência Espacial Europeia explica, com a ajuda da astronauta astronauta italiana Samantha Cristoforetti, como se processa a ida à casa de banho 418 quilómetros acima da Terra.]

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)