Rádio Observador

Congresso do PS

Costa desafia PS a “pensar estrategicamente o país a prazo”

O líder do PS está a recolher contributos para a moção política que leva ao congresso do partido no final de maio. Em Torres Novas disse que imigração ajuda a resolver problema demográfico.

TIAGO PETINGA/LUSA

Autores
  • Agência Lusa

O secretário-geral do PS desafiou este sábado o partido, no congresso de maio, a “pensar estrategicamente o país a prazo”, frisando que “uma das chaves do sucesso” do Governo que lidera foi “o cuidado de preparar bem” a governação.

António Costa, que participou em Torres Novas (distrito de Santarém), na receção de contributos dos militantes para a moção política que apresentará ao congresso agendado para 25 a 27 de maio na Batalha (Leiria), intitulada “Geração 20/30”, afirmou que este é “o momento certo para começar a preparar o próximo ciclo”, marcado por eleições, em 2019, para o Parlamento Europeu, para a Assembleia Legislativa da Madeira e para a Assembleia da República.

“Se hoje podemos dizer com orgulho que estamos a cumprir e cumpriremos todos os compromissos que assumimos com os portugueses, é porque tivemos o cuidado de preparar bem”, declarou, depois de Mariana Vieira da Silva, coordenadora global da sua moção, ter sintetizado os contributos recebidos para as quatro áreas definidas como estratégicas (alterações climáticas, sociedade digital, demografia e combate às desigualdades).

António Costa lembrou que “muita gente criticou” o quadro macroeconómico que apresentou na última campanha eleitoral, “de uma forma original”, e que deu “muito trabalho a explicar” e “alguns dissabores”, mas que, “olhando para trás”, foi “a base sólida” que permitiu ao partido cumprir aquilo a que se tinha comprometido e, simultaneamente, conseguir “o maior crescimento desde o início do século, a maior redução do desemprego das últimas décadas e o défice mais baixo da democracia” portuguesa.

“Fizemos bem em fazer as contas primeiro, porque com contas certas podemos programar e cumprir aquilo que prometemos”, declarou na sessão que decorreu ao final da tarde, no Teatro Virgínia.

País “precisa da imigração” para resolver problema demográfico

Na mesma sessão, o secretário-geral do PS, António Costa disse que o país “precisa de imigração” e de “atrair talento” para resolver o seu problema demográfico.

António Costa, que hoje participou em Torres Novas (distrito de Santarém) na receção de contributos dos militantes para a moção política que apresentará ao congresso agendado para 25 a 27 de maio na Batalha (Leiria), intitulada “Geração 20/30”, falava sobre uma das quatro áreas definidas como “estratégicas” na sua candidatura a secretário-geral do partido, e que são alterações climáticas, sociedade digital, demografia e combate às desigualdades.

Definindo a demografia como “central para o nosso futuro enquanto país”, Costa afirmou que, a par de políticas de natalidade, é preciso ser capaz de “atrair para Portugal talentos, força de trabalho, pessoas, que, sendo estrangeiros, vivendo noutras partes do mundo”, permitam aumentar o equilíbrio demográfico.

“Por mais contas que se façam, não basta o aumento da natalidade para repor o nosso saldo migratório. Precisamos de imigração e, por isso, esse paradigma tem que ser dito com toda a clareza: precisamos de atrair talento para viver em Portugal”, declarou, depois de apontar a evolução do índice de envelhecimento (dos 68,1 de 1990 para os 150,9 de 2016).

“Estamos não só a ficar com uma população mais envelhecida, como estamos a ter cada vez menos jovens. Isto não tem só a ver com o facto de podermos imaginar que em 2060, em vez dos 10 milhões que hoje somos, seremos só 7 milhões, significa enormes desafios que se colocam à própria sustentabilidade da sociedade”, frisou.

Costa referiu ainda os desafios que a humanidade enfrenta com as alterações climáticas, justificando a escolha deste como um dos temas estratégicos da sua moção pelos fenómenos que já hoje se vivem no país e que exigem respostas na forma como se gerem os recursos e o território.

Apontou ainda a sociedade digital e as questões que coloca quanto à qualidade da informação e ao futuro do trabalho, considerando um “enorme e apaixonante desafio” a adaptação que se impõe perante uma “inovação que não se trava” e que vai obrigar a ter capacidade para criar mais postos de trabalho que aqueles que serão eliminados.

O outro “desafio estratégico” da sua moção, o combate às desigualdades, surge do reconhecimento de que, apesar de “hoje se viver melhor”, persistem situações de oportunidade, de coesão territorial, de género, de inclusão, por resolver, disse.

Para António Costa, estes “quatro desafios centrais” colocam-se no futuro imediato e exigem “respostas múltiplas”, pelo que defendeu que o congresso deve ter “pensamento estratégico”, fornecendo as bases para o programa do partido aos vários atos eleitorais que se aproximam.

Costa pediu ao partido para que se mantenha vivo e em ligação com a sociedade, não “fechando a sua atividade” enquanto está no Governo.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Maioria de Esquerda

Geringonças e blocos centrais /premium

João Marques de Almeida
102

Depois da sua posição, se quiser ser coerente (não é evidente que queira), Rio terá que defender um referendo à eutanásia. Os temas de consciência individual não podem ser decididos só pelos deputados

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)