287kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica. Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Poupe na sua eletricidade com o MEO Energia. Simule aqui.

"Não estou cá para calar ninguém": a visão de Rui Vitória a "uma goleada por 2-1"

Este artigo tem mais de 3 anos

Depois das críticas pelas substituições feitas no clássico, Rui Vitória ganhou o jogo com um jogador vindo do banco. A análise do técnico encarnado e a justificação para "uma goleada por 2-1".

Rui Vitória admitiu que não sabe ainda se Jonas voltará a ser opção até ao final da temporada
i

Rui Vitória admitiu que não sabe ainda se Jonas voltará a ser opção até ao final da temporada

Getty Images

Rui Vitória admitiu que não sabe ainda se Jonas voltará a ser opção até ao final da temporada

Getty Images

“Apagou-se a estrelinha de Rui Vitória”, comentava-se após o final do clássico decidido a favor do FC Porto com um golo de Herrera ao minuto 90. Mas mais do que uma ideia simplesmente alegórica, o técnico foi ouvindo reparos nas análises ao encontro a propósito das substituições efetuadas, sobretudo a troca de Rafa por Salvio e, um pouco mais tarde, de Cervi por Samaris. Não gostou, reagiu. Esta noite, foi “sacar” uma vitória nos descontos ao banco.

É preciso recuar dois anos para encontrarmos um jogo decidido com o golo de um jogador suplente, neste caso quando Raúl Jiménez deu o triunfo na deslocação a Vila do Conde frente ao Rio Ave em 2016. E, mais uma vez, o Benfica voltou a ganhar fora pela margem mínima no período de compensação, algo que acontece pela terceira ocasião na presente temporada, depois de Chaves e Setúbal. Outro dado: à exceção do Sp. Braga, a equipa que mais rendimento retira dos jogadores saídos do banco a nível de golos, os encarnados juntaram-se ao P. Ferreira no segundo lugar desse ranking particular, com sete remates certeiros de suplentes lançados por Rui Vitória.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

“Resposta às críticas? Não estou cá para calar ninguém, estou cá para trabalhar em prol do Benfica. Às vezes as substituições saem bem, outras não. Mas isso é comigo. Os jogadores entraram convictos, fizeram aquilo que pedi e funcionou bem, mas fica o registo. Não deixo que as coisas passem em claro, mas o importante é que o Salvio marcou um golo, regressado de lesão. Fico contente por todo o contexto que temos vivido nos últimos dias”, salientou a meio da análise a um encontro que, na sua opinião, terminou com “uma goleada por 2-1”.

“Tivemos uma série de oportunidades e tínhamos acabado com o jogo antes, mas isso também mostra que estamos cá para a luta. A maneira como ganhámos é uma forma de mostrar raça, ambição, luta. O adversário aproveitou o facto de não ter sofrido mais golos para marcar, mas ganhámos o jogo com raça, crer e ambição, que também são qualidades do Benfica. Podíamos ter feito golos mais cedo porque tivemos ocasiões na cara do guarda-redes que, com a qualidade que temos, teríamos de ter marcado”, comentou o técnico encarnado.

O mundo de Rafa, onde falhar oportunidades dá direito a desconto(s): a crónica do Estoril-Benfica

Por fim, Rui Vitória abordou também a situação clínica de Jonas, desejando que o atual impedimento físico não deixe de fora o avançado brasileiro até ao final da temporada. “Esperemos que não, mas o problema tem sido impeditivo para a convocatória. Todas as semanas são uma nova oportunidade para trabalhar e melhorar, mas se acontecer mais algum impedimento, estamos cá para dar resposta. Estamos cá para entrar convictos, a acreditar em nós, e ganhar até ao último sopro”, concluiu o treinador bicampeão nacional.

Recomendamos

A página está a demorar muito tempo.