Sexo

O homem que fraturou o pénis e decidiu contá-lo ao mundo

180

A noite prometia ser escaldante, mas um acidente levou-o da cama em boa companhia para a maca do hospital. O caso foi grave, mas resolveu-se e Ross Asdourian decidiu contar tudo para quebrar tabus.

Champja/Getty Images/iStockphoto

Sofrer uma fratura no pénis não é uma situação muito comum. Menos comum é procurar ajuda médica para resolver o problema. Mas muito menos comum do que isso é escrever um livro a contar a experiência. Foi o que decidiu fazer Ross Asdourian, antigo diretor creativo da rede de televisão e rádio norte-americana NBC, com o livro “Broken Banana” (“Banana Partida”).

Esta é a história engraçada/não tão engraçada do acidente, da recuperação e de toda a dor, amor e da filosofia entre eles”, escreveu o autor na plataforma de recolha de fundos Kickstarter, onde angariou dinheiro para o livro. “Umas quantas pessoas ajudaram-me a fazer xixi, incluindo a minha mãe, enquanto vagueava por Nova Iorque preso a um tubo para urinar durante um mês.”

Tudo aconteceu — como pode prever que tenha acontecido — enquanto tinha relações sexuais. Uma manobra imprevista e ouviu um som, como se algo se estivesse a romper. E estava mesmo. A fratura peniana não é, no entanto, a quebra de nenhum osso, porque o pénis não tem nenhum osso. Mais corretamente deve chamar-se rutura dos corpos cavernosos — o tecido responsável pela ereção.

Os corpos cavernosos são duas estruturas esponjosas, mais ou menos cilíndricas, que partem da base do pénis e se estendem ao longo da uretra. A forma menos grave de fratura peniana implica a rutura de um destes corpos cavernosos. Mas também pode acontecer a rutura de ambos — ainda assim não é a forma mais grave. A rutura do corpo esponjoso — que envolve a uretra e forma a glande — e, no limite, a rutura da própria uretra (que transporta a urina da bexiga para o exterior), são os casos mais graves. O acidente de Ross Asdourian, de 32 anos, foi deste tipo, com a rutura total da uretra. O mais urgente era reparar a uretra de forma a que voltasse a urinar sem problemas.

A ereção acontece quando o sangue enche os corpos cavernosos, que tal como uma esponja têm a capacidade de reter muito líquido. À volta dos corpos cavernosos existe um tecido, a tunica albuginea, que confere a rigidez à ereção. Se esta túnica for sujeita a muita pressão pode romper, dando origem à fratura peniana.

Ross Asdourian percebeu imediatamente o que tinha acontecido e foi logo levado para o hospital. O que não podia esperar era a gravidade da situação — a rutura da uretra —, porque esta situação é muito, muito rara. O autor, descrito na Amazon como “escritor de comédia, narrativa e email há 15 anos” teve azar.

Pode sempre ser pior. Lembra-te disso, pode sempre ser pior. Ainda está agarrado. Pode sempre ser pior”, lembra o autor no início do livro.

Mais ou menos grave, a situação pode ser resolvida, explicam os médicos ouvidos pela CNN. “O mais triste é que os doentes têm, normalmente, vergonha de ir ao médico ou às urgências”, disse Jack Mydlo, professor de cirurgia urológica na Universidade Temple. “Normalmente, estes tipos são novos e têm uma vida inteira pela frente. Porque é que hão-de sofrer em silêncio? Não devia ser embaraçoso. Acontece. Vamos arranjar.

Ross Asdourian foi submetido a uma cirurgia de três horas onde fez a reparação da uretra. Teve de andar algum tempo ligado a um tubo para poder urinar, mas ao fim de quatro semanas estava recuperado dessa função. Ao fim de alguns meses tinha também recuperado a função sexual, segundo o médico que tratou o autor do livro, Rajveer Purohit, diretor de urologia reconstrutiva no Hospital Mount Sinai (Nova Iorque).

Para acontecer uma fratura peniana o pénis tem de estar ereto, mas não acontece apenas durante as relações sexuais. Tentativas mais agressivas para tentar esconder a excitação, masturbação ou ereções noturnas também podem provocar acidentes. Se ouviu um estalido e quer saber se realmente aconteceu, pode verificar se o pénis ficou com um edema (inchaço causado pela acumulação de líquido) ou se ficou com uma “angulação peniana contra-lateral”. O tratamento existe e é eficaz.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: vnovais@observador.pt
Crónica

Se eu pudesse ver a minha avó /premium

Ruth Manus
111

Atrás da tela do computador, os olhos avermelhados seguem clamando por uma trégua. O céu escureceu ainda mais. Hoje não vou vê-la. Mas fecharei os olhos por alguns minutos, sem contagem regressiva. 

PSD

Ao centro, o PSD não ganhará eleições /premium

João Marques de Almeida

Rio, que não perde uma ocasião para evocar Sá Carneiro, não aprendeu a sua principal lição: o PSD só chega ao poder quando lidera uma alternativa aos socialistas. Não basta esperar pelo fracasso do PS

Futebol

Sobre o futuro próximo de José Mourinho

António Bento

No frio e previsivelmente longo Inverno de 2018-2019 a pele de José Mourinho não é boa de se vestir, como se vê por uma parte significativa das suas declarações à imprensa desde que foi despedido.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)