Rádio Observador

DECO

Portugueses gastam 70 euros por mês em transportes

Portugueses continuam a preferir o carro aos transportes públicos porque, segundo a maioria dos inquiridos, estes não estão adequados às necessidades. Gastam em média 70 euros por mês em transportes.

JOSÉ COELHO/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

Os portugueses gastam cerca de 70 euros por mês com transportes, um setor que tem um grande peso nas despesas mensais das famílias, revelou um estudo realizado pela Deco em seis cidades. As cidades analisadas pela Deco — Associação de Defesa dos Consumidores, entre novembro e dezembro de 2017, foram Braga, Porto, Aveiro, Coimbra, Lisboa e Setúbal.

Muitos portugueses continuam a fazer uma ginástica financeiro brutal para mensalmente pagar as despesas decorrentes dos transportes sejam eles coletivos ou privados. Continua a ser uma das despesas com mais peso nas famílias”, disse à Lusa Bruno Santos, das Relações Institucionais da Deco.

Setenta euros é o gasto de referência assumido pelos inquiridos, mas em Lisboa, por exemplo, o gasto é superior, com um terço dos inquiridos a referir gastar mais de 100 euros.

O estudo, realizado com o objetivo de saber qual a utilização que os portugueses fazem dos transportes públicos e particulares nas suas deslocações diárias entre casa e o trabalho e as escolas dos filhos, por exemplo, revelou também que a maioria dos cidadãos continua a optar pelo carro próprio porque as soluções de transportes públicos não estão ajustadas às suas necessidades.

O carro continua a ser, para a maioria dos cidadãos que responderam ao inquérito, “o meio de deslocação preferencial” devido, segundo explicam, “à falta de uma rede de transportes públicos que supra necessidades reais”. Os cidadãos apontaram críticas às infraestruturas em mau estado ou mal concebidas, ao comportamento dos condutores e à dificuldade em estacionar em lugares não pagos, o que aumenta ainda mais o peso no orçamento.

“Uma boa parte dos condutores que nos responderam demora mais de 15 minutos, pelo menos uma vez por semana, a encontrar um lugar sem ter de depositar moedas”, é realçado pela Deco, que acrescenta que 20% dos inquiridos “sentem que o seu rendimento mensal condiciona a escolha do transporte”.

Entre os utentes que preencheram o inquérito, 77% recorrem a um ou dois transportes para se deslocarem. Em Aveiro, Braga, Coimbra, Porto e Setúbal, mais de metade dos inquiridos demora diariamente entre 10 minutos e meia hora nas deslocações, mas em Lisboa os tempos de viagem oscilam entre 10 minutos e uma hora.

Em Lisboa, 64% dos inquiridos enfrenta engarrafamentos pelo menos uma vez por semana, enquanto no Porto o número desce para 63%. Uma vez por semana, no mínimo, 63% dos consumidores andam mais de 500 metros a pé, com destaque para os bracarenses e portuenses, com 43% a afirmar que percorrem a pé mais de 500 metros diariamente.

“No cômputo geral, o número de pessoas a utilizarem a bicicleta é residual, embora a aposta e o incremento da quantidade de ciclovias seja visível um pouco por todo o país”, é salientado. Aveiro diferencia-se um pouco na satisfação com este meio de transporte, mas, mesmo assim, surgem críticas relativamente a lacunas na rede de ciclovias e a falta de opções para levar a bicicleta nos transportes públicos.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)