Enfermeiros

Tribunal Central Administrativo do Sul dá razão a enfermeiros especialistas que entregaram cédulas

Segundo o Tribunal Central Administrativo do Sul, os enfermeiros especialistas têm o direito de requerer a suspensão do título junto da respetiva ordem profissional.

NUNO VEIGA/LUSA

O Tribunal Central Administrativo do Sul deu razão à Ordem dos Enfermeiros no caso da entrega de cédulas por parte dos enfermeiros especialistas e anulou a decisão de primeira instância, mandando o caso para julgamento.

Segundo a decisão do Tribunal Central Administrativo do Sul, a que a agência Lusa teve acesso, os enfermeiros especialistas têm o direito de requerer a suspensão do título junto da respetiva ordem profissional. A partir daí só podem exercer funções próprias do título geral de enfermeiros com exclusão dos cuidados especializados.

A bastonária da Ordem dos Enfermeiros lembra que esta decisão vem dar razão aos profissionais especialistas que, no verão passado, estiveram em protesto por não receberem pelas funções especializadas que desempenham. Em declarações à Lusa, Ana Rita Cavaco disse que, face à “agressividade do Governo para com os enfermeiros”, a Ordem apresentou uma intimação para proteger os profissionais, caso que em primeira instância foi recusado.

“Recorremos para o Tribunal Central e o tribunal vem agora mandar julgar, mas dizendo que [os profissionais] tinham direito de suspender funções especializadas e que a [decisão da] Ordem, ao suspender-lhes a cédula, foi um remédio que teve de arranjar para a situação”, afirmou a bastonária.

Ana Rita Cavaco lembra que os enfermeiros especialistas continuam a não receber o subsídio transitório de 150 euros até à revisão da carreira. No início deste mês, o Governo aprovou em Conselho de Ministros o suplemento para os ordenados dos enfermeiros especialistas, que será retroativo a janeiro deste ano. Ainda sobre os enfermeiros que pediram suspensão das cédulas, a bastonária lembra que foram “algumas centenas”, tendo já todos solicitado a reativação do título.

Ana Rita Cavaco mostra-se expectante quanto ao impacto da decisão do Tribunal Central Administrativo no caso do hospital de Guimarães, que cortou os vencimentos dos enfermeiros que suspenderam as funções especializadas durante o protesto, “apesar de terem estado a trabalhar todos os dias”.

A bastonária questiona ainda qual será a forma de responsabilizar a gestão do hospital de Guimarães, lamentando que na saúde os “gestores tomem decisões ao arrepio da lei” e nada lhes aconteça. A bastonária da Ordem dos Enfermeiros anunciou, em junho do ano passado, que cerca de dois mil enfermeiros estavam a exercer funções de especialistas sem estarem a ser remunerados como tal.

A 3 de julho, alguns enfermeiros especialistas iniciaram um protesto, que durou grande parte do verão, recusando prestar cuidados diferenciados. O protesto provocou várias perturbações em serviços hospitalares, tendo chegado a paralisar alguns blocos de parto. Na altura, o ministro da Saúde classificou o protesto dos enfermeiros especialistas como irresponsável e fora do quadro legal, afirmando ser baseado na “criação de alarme social”.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)