Há uma cena em “A Morte de Estaline”, de Armando Iannucci, em que os membros do Politburo mais chegados ao ditador comunista o encontram no chão do escritório da sua dacha , fulminado por uma síncope, e um deles grita: “Chamem os médicos!”. Ao que outro responde: “Não há médicos. Matámo-los todos.” Esta réplica dá o tom ao filme e poderia, à primeira vista, parecer um exagero justificado pelo clima de sátira política decapante que domina “A Morte de Estaline”. Mas quando pensamos que entre 1952 e 1953, pouco antes de morrer, Estaline ordenou uma enorme purga entre os médicos de Moscovo, sobretudo judeus, acusando-os de uma conspiração para assassinar a liderança soviética, mandando despedir e prender centenas deles, muitos dos quais foram torturados e executados, percebemos que a fita até peca por defeito.

[Veja o “trailer” de “A Morte de Estaline]

Muita da ferocidade cómica de “A Morte de Estaline” já existe na banda desenhada com o mesmo título, dos franceses Fabien Nury e Thierry Robin, que Iannucci adapta nesta fita. Mas o britânico, conhecido pelos retratos corrosivamente desopilantes dos bastidores do poder que traçou em séries como “The Thick of It” (exibida pela RTP2 sem que muita gente desse por ela) ou “Veep”, aquela passada em Inglaterra e esta nos EUA, torna-a ainda mais intensa e descarada no seu humor selvático. Para Armando Iannucci, os absurdos de prepotência, de crueldade e desumanidade dos regimes totalitários prestam-se muito mais a ser fustigados pela sátira do que os ridículos crónicos e exasperantes das sociedades democráticas. E essa sátira deve ser bem à medida das malfeitorias daqueles: negra e espessa como alcatrão, e a ferver.

[Veja a entrevista com o realizador Armando Iannucci]

https://youtu.be/evaGkjk5tNM

“A Morte de Estaline” é um filme que começa em pânico de morte e fica com esta mudança dramática metida até ao fim. Depois de Estaline morrer, os homens do seu círculo político íntimo, e que na noite anterior, depois de um jantar regado a “vodka”, tiveram que aguentar com um daqueles “westerns” de que o ditador comunista tanto gostava, começam a preparar o funeral, e reúnem-se, conspiram, contabilizam lealdades, fazem e desfazem alianças e tentam eliminar-se uns aos outros, para treparem ao pedestal do poder supremo e sucederem-lhe à frente da gloriosa URSS. Enquanto isso, mandam prender, libertar, torturar ou fuzilar pessoas com a leveza de quem encomenda géneros numa mercearia, estabelecendo um clima de terror ora surreal, ora ridículo. A certa altura, o Malenkov de Jeffrey Tambor diz: “Já nem sei quem está vivo e quem foi morto”.

[Veja a entrevista com Michael Palin]

Não é fácil fazer comédia com o horror totalitário, mas Armando Iannucci consegue-o de forma brilhante em “A Morte de Estaline”, uma sátira grotesca servida por um muito britânico, macabro e mortífero humor negro, que comunga de uma tradição de séculos, vinda do Jonathan Swift de “Uma Singela Proposta”, continuada por caricaturistas,  humoristas e cineastas, e que chegou, entre outros, até aos Monty Python. A frenética e incessante dinâmica conspirativa do enredo leva o filme a mata-cavalos, e a galeria de bufões criminosos, de Beria a Malenkov e Molotov, passando pelo filho desatinado e alcoólico de Estaline e por um marechal Jukov (Jason Isaacs) bruto como as casas, afadiga-se a despedir-se solenemente do falecido e a conspirar para chegar a ditador no lugar do ditador. A tropa mexe, o NKVD agita-se e o povo que veio velar Estaline é recebido a tiro.

[Veja a entrevista com SteveBuscemi]

A escolha de actores também foi de estalo, com realce para Michael Palin num atarantado Molotov, Steve Buscemi no exasperado Khrushchev, Jeffrey Tambor num vaidoso e manhoso Malenkov, e sobretudo Simon Russell Beale no temido e depravado Beria (o seu gosto por estuprar raparigas adolescentes fica sugerido numa rápida cena), que manda gente para a tortura ou para a morte com o modo casual de um chefe de repartição que despacha ofícios, e dando sempre uma sugestão sádica: “Mata- a antes de o matar a ele, mas certifica-te que ele vê.” Beale aparece pouco no cinema e anda mais pelos palcos, sobretudo a fazer Shakespeare, e o seu Beria é um modelo de como interpretar um monstro moral e um assassino de massas numa sátira negra de breu ao mais escabroso terror concentracionário. Em “A Morte de Estaline”, há sempre um arrepio por trás de cada gargalhada.