Arqueologia

Arqueólogos suecos descobrem massacre do século V

367

Arqueólogos encontraram provas que mostram que os corpos em Sandby borg, Suécia, foram vítimas "de um massacre" no século quinto. Os atacantes entraram na aldeia num ato de "traição".

Sandby borg é uma aldeia sueca da idade do ferro (século V), na Suécia. As escavações arqueológicas encontraram vítimas de um massacre que mostram como viviam os escandinavos na época

Sebastian Jakobsson

Foi um “massacre” o que aconteceu na segunda maior ilha da Suécia, Öland, por volta do século quinto. Os arqueólogos suecos responsáveis pelas escavações no local encontraram vestígios que demonstram que as dezenas de corpos encontrados foram vítimas de um ataque. Cabeças decapitadas e traumatismos foram suficientes para comprovar o que aconteceu. Além disso, “não se encontram pessoas deitadas à volta de casas, afirmou Helena Victor, responsável pela escavação, à BBC.

Segundo o estudo publicado na revista académica Antiquity, apelidado de “Um momento congelado no tempo: provas de um massacre em Sandby borg, no final do século quinto”, o forte de Sandby borg é um “achado arqueológico extremamente rico”. Os autores do estudo afirmam que “ninguém sobreviveu” porque até encontraram um bebé recém-nascido entre as vítimas. No mesmo estudo os investigadores afirmam que os habitantes “não estavam preparados para a batalha”, justificando a utilização do termo massacre para o que aconteceu.

Quanto a quem perpetuou o ataque o estudo não dá uma resposta concreta. Não estando a ilha de Öland sobre o domínio dos império romano, os investigadores afirmam que podem ter sido vítimas de um ataque de Hunos. Ao todo foram já encontrados os restos mortais de 26 pessoas. “Dois dos humanos foram encontrados desmembrados e queimados”, referem os académicos no estudos para demonstrar a extensão do massacre.

À BBC, uma das investigadoras afirma que viviam em Sandby borg “cerca de 200 a 250 pessoas” e que morreram por um ato de traição de um dos aldeões. “Alguém deixou os portões [da fortificação que protegia a aldeia] abertos”, afirma como justificação para as pessoas não se terem defendido.

Os arqueólogos só podem visitar o local durante o verão, devido às condições metereológicas adversas nas outras estações que impossibilitam igualmente as escavações.

As escavações arqueológicas em Sandby borg começaram em 2010, depois de se saber que o local estava a ser saqueado. Ao The Guardian, Ludwig Papmehl-Dufay, outro dos arqueólogos que esteve no terreno, explica que embora não existam relatos históricos sobre o massacre, há relatos que descrevem o local como perigoso.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mmachado@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)