Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Os operadores turísticos, sobretudo os que operam voos de fora do espaço Schengen, estão preocupados com os atrasos na verificação dos passaportes dos passageiros no aeroporto de Lisboa e que estes constrangimentos possam agravar-se durante o verão, notícia o Diário de Notícias. O Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) responde que já aumentou o número de inspetores.

Francisco Calheiros, presidente da Confederação do Turismo de Portugal, alerta que as 16 cabinas do SEF não estão sempre todas operacionais, o que provoca filas aquando a chegada de passageiros de fora do espaço Schengen. “Esta é uma situação altamente prejudicial para o turismo na medida em que é também a primeira impressão que um turista retira de um destino turístico.”

António Moura Portugal, secretário-geral da Associação das Companhias Aéreas em Portugal (RENA), reforça a ideia, dizendo que o SEF e as tutelas do Governo têm de resolver o problema. “Quem passa por aquelas filas dificilmente volta a Portugal. Os turistas não querem saber de quem é a culpa. Para eles é o país que merece a sua crítica.”

O Sindicato da Carreira de Inspeção e Fiscalização do SEF denunciou, no ano passado, a falta de inspetores e a necessidade de a ANA melhorar a infraestrutura, mas admite que enquanto as duas estruturas não se sentarem à mesma mesa, será difícil resolver o problema.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

“Se o volume de trabalho cresceu 150% nos últimos anos e o efetivo pouco mais de 20%, é normal que os serviços não consigam dar resposta. É uma impossibilidade matemática”, diz Renato Mendonça, presidente do Sindicato dos Inspetores de Investigação, Fiscalização e Fronteira, que presta serviço no aeroporto Humberto Delgado.

O SEF, por sua vez, diz que o aeroporto tem agora mais 33 inspetores do que no ano passado, perfazendo um total de 180. Mas, segundo o Diário de Notícias, são, mesmo assim, menos 50 do que no verão de 2017. A ANA não prestou declarações ao jornal.