Rádio Observador

Incêndios

Incêndios. Ficaram por vender em hasta pública 62 dos 114 lotes de madeira ardida

Os valores mais elevados foram conseguidos com a madeira da Mata Nacional de Leiria, sendo que, de 15 lotes a leilão, foram vendidos seis, que renderam 1,59 milhões de euros.

MÁRIO CRUZ/LUSA

Mais de meia centena de lotes de madeira ardida proveniente de matas nacionais e perímetros florestais geridos pelo Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) foram esta quinta-feira vendidos, por 2,85 milhões de euros, numa hasta pública em Viseu. Dos 114 lotes de material lenhoso de matas nacionais e perímetros florestais da Região Centro levados a hasta pública, que tinham um valor base total de 4,443 milhões de euros, foram vendidos 52, representando 65% desse valor.

Os valores mais elevados foram conseguidos com a madeira da Mata Nacional de Leiria, sendo que, de 15 lotes a leilão, foram vendidos seis. No que respeita à madeira da Mata Nacional de Leiria, o Estado esperava conseguir 2,256 milhões de euros, mas realizou 1,59 milhões de euros, tendo sido vendidos os lotes com madeira de melhor qualidade.

De 106.334 metros cúbicos de volume de madeira, foram vendidos 43.126 metros cúbicos (40%) desta mata. Três lotes da Mata Nacional de Leiria foram muito disputados. O que atingiu o valor mais alto, 450 mil euros, tinha 9.692 pinheiros (11.039 metros cúbicos de volume) e um preço base de licitação de 295 mil euros.

Por 412 mil euros, foi vendido um lote de 7.715 pinheiros (9.177 metros cúbicos de volume), com preço base de licitação de 245 mil euros, e, por 256 mil euros, um outro de 5.946 pinheiros (5.938 metros cúbicos de volume), com preço base de licitação de 155 mil euros.

Esta hasta pública, à qual foram admitidas 55 empresas, teve como objetivo alienar 114 lotes de material lenhoso provenientes das matas nacionais de Pedrógão, Leiria, Urso, Quiaios, Vagos e Covilhã e dos perímetros florestais do Paião, Dunas de Cantanhede, Dunas de Vagos, Préstimo, S. Salvador, Serra do Crasto, Penoita, S. Pedro do Sul, Vouga, S. Miguel e S. Lourenço, Leomil, Arca, Serra do Pisco, Serra da Estrela, Alcongosta, Castelo Novo, Louriçal do Campo, Alge e Penela, S. Pedro Dias e Alveite, Mata do Braçal, Castanheira de Pera, Necessidades, Rabadão, Pampilhosa da Serra e Serra da Aveleira.

Alguns destes lotes já tinham estado em hasta pública, também em Viseu, em dezembro de 2017. Em comunicado, o ICNF esclareceu esta quinta-feira que o Estado tem a expectativa de arrecadar entre 25 e 35 milhões de euros “na totalidade da madeira ardida em matas nacionais e perímetros florestais” que gere, “que será vendida ao longo de sucessivas hastas públicas, cujo processo de marcação está em curso”.

Quarenta e nove pessoas morreram e cerca de 70 ficaram feridas na sequência dos incêndios de outubro de 2017 na região Centro, que também destruíram total ou parcialmente cerca de 1.500 casas e mais de 500 empresas. Três meses antes, em 17 de junho, as chamas que deflagraram no município de Pedrógão Grande, no interior do distrito de Leiria, e que alastraram a concelhos vizinhos, fizeram 66 mortos e 253 feridos, atingiram cerca de meio milhar de casas e quase 50 empresas, e devastaram 53 mil hectares de território, 20 mil hectares dos quais de floresta.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Emprego

Uma viagem ao desconhecido com destino ao sucesso

Maria João Bobone

Os jovens devem ser levados a sair da sua zona de conforto, expostos a desafios que desconhecem, pois é a aventura pelo desconhecido que lhes proporciona a "bagagem" necessária para se diferenciarem.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)