Rádio Observador

Arquitetura

Torre de 17 andares em Picoas vai estar pronta em junho

360

Polémico projeto será "apreciado a seu tempo”, diz crítico Delfim Sardo. Apresentação da Trienal de Arquitetura 2019 decorreu no interior do edifício e o Observador ouviu a arquiteta Patrícia Barbas.

Autor
  • Bruno Horta
Mais sobre

Quase pronta mas em obras, porque é que a nova torre de Picoas foi o cenário escolhido para a apresentação do programa da Trienal de Arquitetura de Lisboa 2019? Talvez uma discreta homenagem ao arquiteto Diogo Seixas Lopes (1972-2016), autor do edifício juntamente com a mulher e sócia, Patrícia Barbas. Mas ao que disse arquiteto José Mateus, diretor da Trienal, não foi de certeza uma demonstração de apoio a um projeto polémico que chegou a estar embargado por causa de dúvidas da Assembleia Municipal de Lisboa. “Simplesmente, este edifício é um facto arquitetónico na cidade”, justificou.

Interessou-nos porque está em construção, tal como a programação da Trienal, e estabeleceu um debate sobre o que se pode fazer na cidade, que é também o que a Trienal faz à sua maneira”, acrescentou o diretor.

Conhecido como torre de Picoas, ou Edifício 45, destaca-se já hoje pelo aspeto imponente, com fachada de espelhos cor de bronze. Situa-se na confluência de três acessos centrais: Avenida Fontes Pereira de Melo, Avenida 5 de Outubro e Rua Latino Coelho, junto à Maternidade Alfredo da Costa e ao hotel Sheraton – uma das zonas emblemáticas de Lisboa.

O projeto resulta de um concurso lançado pela Câmara. A construção iniciou-se em 2016, mas só avançou em força nos últimos meses, devendo estar concluída já em junho, disse ao Observador a arquiteta Patrícia Barbas, que assistiu à apresentação da Trienal em conferência de imprensa, nesta terça-feira.

O projeto do edifício é shell and core, ou seja, a pele e os espaços comuns. Esperamos fechar até ao verão”, adiantou a autora. “Há quem diga que são duas torres, mas não são. É uma só. Um edifício com dois volumes: um com 17 pisos e outro com 14.”

Tem 68 metros à superfície, tal como o prédio do Centro Comercial Imaviz, ali em frente, e mais seis pisos subterrâneos com 221 lugares de estacionamento. Os andares superiores têm cerca de 1400 metros quadrados cada um e destinam-se a escritórios, estando prevista a abertura de lojas no rés-do-chão. O investimento foi de 70 milhões de euros – da promotora Edifício 41, ligada à ECS Capital. A gestão é da consultora Rockbuilding, com projeto de estruturas dos engenheiros João Almeida e Miguel Lourenço e empreitada está a cargo do consórcio Mota-Engil/Casais.

[vídeo do atelier Barbas Lopes com o estado da construção há poucas semanas]

Os 70 milhões incluem “toda a operação”, segundo Patrícia Barbas: terreno, zona envolvente, projetos de arquitetura, estaleiro e taxas. É que além da torre propriamente dita, o gabinete Barbas Lopes projetou também um acesso à Casa-Museu Anastácio Gonçalves, situada nas proximidades, e ainda um espaço público verde que ligará ao jardim da Maternidade, pondo fim à circulação automóvel naquela parte da 5 de Outubro. Esse espaço verde, identificado como nova Praça Picoas, deverá estar pronto em setembro. Terá uma “plantação luxuriante, diversa na forma, cor e textura”, diz a memória descritiva.

Foram estas alterações que geraram polémica, com a Câmara de Lisboa a ceder uma parcela adicional de terreno junto ao lote, em troca do projeto de ajardinamento na área oposta, frente à maternidade. Essa cedência levantou dúvidas à Assembleia Municipal, entre 2014 e 2016, e acabaria por ser aprovada apenas com os votos do Partido Socialista.

“A obra esteve embargada por suspeitas relacionadas com permutas de terrenos e e até ao esclarecimento das coisas não se podia avançar com os trabalhos”, resumiu a arquiteta, segundo a qual “a polémica já passou”, pelo que agora o edifício é “um facto consumado”.

“Nostalgia da cidade perdida”

A conferência de imprensa decorreu no terceiro piso do edifício, uma sala ampla com o chão ainda em cimento, onde cheirava a soldadura e eram visíveis, no teto, cabos elétricos e condutas de ar. No fim, os jornalistas foram convidados a conhecer o oitavo andar, de aspeto semelhante.

Também presente, o curador e professor de história da arte contemporânea Delfim Sardo analisou, a pedido do Observador, a polémica em torno desta construção, considerando que os edifícios novos, e este em particular, “sofrem muitas vezes de uma resistência” a que chama “nostalgia permanente da cidade perdida”.

A polémica parece estar ligada a uma nostalgia do edifício que existia neste sítio [um palacete] e que estava devoluto há anos e anos. Há sempre uma energia conservadora em relação às cidades, não só da opinião pública, até de certos comentadores que deveriam ter uma visão mais culta e mais informada”, disse Delfim Sardo. “Tudo que vemos nas cidades é resultado de um palimpsesto, são camadas que se entrecruzam e tempos diferentes que se misturam. Não é possível congelar a arquitetura no tempo. Até as pessoas se envolverem e deixarem de fazer apenas um juízo visual, para passarem a fazer um juízo sobre o uso, demora bastante tempo.”

De resto, o antigo diretor do Centro de Exposições do Centro Cultural de Belém, e atual consultor da Trienal, destacou a “enorme qualidade” arquitetónica da torre.

Tem uma excelente volumetria e ótima modulação. Quando estiver concluído, a maneira como se inscreve na cidade será bastante mais discreta do que aquilo que aparenta. É um edifício de enorme racionalidade e qualidade, porque estrutura muito bem esta esquina da cidade. Vai ser um edifício marcante e apreciado a seu tempo”, afirmou Delfim Sardo.

Ventilação natural

Para Patrícia Barbas, projetar a torre constituiu “um enorme privilégio”, porque lhe permitiu “desenhar um edifício e uma pequena parte da cidade”. Destacou a facto de o prédio ter certificação energética A e certificação ambiental LEED (Liderança em Energia e Design Ambiental), o que “implica um grau de sustentabilidade muito elevado”.

A ideia de que o arquiteto escolhe apenas formas não corresponde à nossa maneira de ver a arquitetura”, explicou. “Não vejo a questão ambiental como uma questão, deve ser simplesmente incorporada pela arquitetura. Não deve ser uma bandeira, tem de ser parte integrante.”

A fachada tem ventilação natural, por exemplo, o que no dizer de Patrícia Barbas “é muito pouco usual” em edifícios de escritórios, permitindo poupar eletricidade, até porque “um edifício de escritórios é um sugadouro de energia”.

A ventilação natural faz parte da gestão centralizada do edifício e tem comandos individuais. A pessoa, no seu local de trabalho, pode abrir ou fechar a janela. Imagine-se que no verão, se tivermos uma noite mais fria, o edifício pode abrir todo para arrefecer, e quando começa o dia de trabalho os ares condicionados vão ter de trabalhar muito menos para fazer o arrefecimento”, exemplificou. “Há também reaproveitamento das águas dos lavatórios para alimentar autoclismos, além de que a cobertura do último piso é praticamente forrada a painéis fotovoltaicos, para produção de energia.”

José Mateus apoia modelo da DGArtes

A Trienal de Arquitetura de Lisboa surgiu em 2007 e apresenta-se como fórum de debate e impulsionador de exposições temáticas sobre a relação da arquitetura com as pessoas. A quinta edição terá lugar entre 1 de outubro e 31 de dezembro de 2019 sob o tema genérico “A Poética da Razão”, foi revelado nesta terça-feira.

O curador-geral convidado é Éric Lapierre, que coordena uma equipa de oito pessoas. O arquiteto e crítico francês transformou a conferência de imprensa numa breve palestra sobre o que é hoje a arquitetura.

Tem sido totalmente desafiada por vários média, desde logo a internet e todo o tipo de imagens, por isso, um bom edifício é hoje aquele que tem uma boa imagem. A arquitetura tem-se focado na imagem e isso, por vezes, levou os arquitetos a esquecer alguns elementos cruciais, como seja a racionalidade da construção. Os edifícios são agora muito mais imagens do que formas arquitetónicas com uma ligação ao passado”, analisou.

É este um dos motes para as cinco exposições temáticas anunciadas nesta terça-feira, que decorrerão em 2019:

  • Economia de Meios”, no Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia, com curadoria de Éric Lapierre;
  • Do lado do Campo: Permacultura para Arquitectos”, na Garagem Sul do Centro Cultural de Belém, com curadoria de Sébastien Marot;
  • Espaço Interior”, na Galeria Millenium, com curadoria de Mariabruna Fabrizi e Fosco Lucarelli;
  • O Que é o Ornamento?”, na Culturgest, com curadoria de Ambra Fabi Giovanni Piovenne;
  • e “Beleza Natural”, no Palácio Sinel de Cordes, com curadoria de Laurent Esmilaire e Tristan Chadney.

Num balanço da edição anterior da Trienal, a de 2016, José Mateus destacou alguns números: 155 mil visitas às exposições e conferências, 178 convidados de 38 países e mais de duas mil notícias na imprensa portuguesa e estrangeira.

Fez também referência a uma apresentação do programa de 2019 que decorrerá dentro de poucas semanas no âmbito da Bienal de Veneza, um momento para chamar a atenção do público internacional.

A Trienal de Arquitetura, organizada por uma associação sem fins lucrativos com o mesmo nome, contará entre 2018 e 2021 com um apoio de 1,12 milhões de euros da Direção-Geral das Artes, a cujo Concurso de Apoio Sustentado se candidatou. A propósito, José Mateus defendeu que “devem aumentar” as verbas do Orçamento do Estado para a Cultura, porque “há muitos anos que as verbas são insuficientes”. Porém, disse não partilhar das críticas ao novo modelo de concursos para subsídios da DGArtes – críticas que no início deste mês levaram muitas centenas de artistas a protestos nas ruas.

“A Trienal, tal como muitas outras estruturas, foi convidada a participar na construção deste modelo de apoio às artes. Já depois do concurso, enviámos uma carta a identificar erros nos formulários. Alguns terão tido tempo para participar, muitos não o fizeram. Claro que este modelo pode ser melhorado, mas quem tem sugestões a fazer é bom que as faça, a Trienal fê-las”, declarou José Mateus.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)