O Benfica reagiu em comunicado à notícia deste sábado do semanário Expresso, que dá conta de que o Ministério Público está a investigar cinco anos de jogos do Benfica, por alegados indícios de “resultados combinados”. O clube dirigido por Luís Filipe Vieira acusa o jornal de mentir e deturpar factos em “obediência a uma estrutura especializada em atividade criminosa”, garante que não faz denúncias anónimas e sugere ainda que, assim sendo, a justiça investigue também todos os jogos dos restantes clubes das últimas duas décadas.

“A Sport Lisboa e Benfica SAD lamenta e repudia que o Jornal Expresso na edição deste sábado, num artigo e editorial da sua Direção sob o título “O Expresso e as investigações ao Benfica”, em diversos momentos minta e deturpe factos, designadamente sobre a origem e as datas da divulgação pública de recentes denúncias anónimas”, começa por ler-se no comunicado divulgado pelo clube, referindo-se a uma denúncia anónima que surgiu na Benfica TV sobre um alegado plano contra o Benfica orquestrado pelos clubes rivais, com a conivência do sistema judicial e a participação de jornalistas, e que a direção do Expresso diz ter partido do próprio Benfica.

Segundo a notícia do Expresso, todos os 163 jogos da equipa da Luz, desde a época 2013-2014 até hoje (31 serão desta época), estão a ser “alvo de escrutínio da Polícia Judiciária e do Ministério Público” e deverão resultar na constituição de arguidos. Em causa estão indícios sobre “resultados alegadamente combinados”. A investigação, de acordo com aquele jornal, terá monitorizado “um número assinalável de atletas” e estará a analisar “SMS, mensagens e cópias de mensagens reenviadas por WhatsApp e Messenger trocadas entre os investigados”.

Polícia Judiciária e Ministério Público investigam todos os jogos do tetra do Benfica

No comunicado, o Benfica “reitera a sua total tranquilidade sobre uma pretensa investigação a todos os jogos realizados nestas últimas 5 épocas”. Diz a SAD do clube da Luz que as vitórias foram “obtidas com todo o mérito e verdade desportiva”, conforme foi reconhecido por todos os adversários no campo, e sugere que, a ser verdade a combinação de resultados, que se investigue também todos os jogos dos outros clubes, dos últimos 20 anos.

Uma investigação que, a ser verdade, naturalmente deverá ser alargada a todos os jogos dos nossos rivais, e num espaço temporal de pelo menos as duas últimas décadas”, lê-se.

Dizendo-se vítima de “crime organizado”, “de cibercrime”, e de “notícias encomendadas e sustentadas em factos falsos”, o Benfica garante que “nenhum esforço de desestabilização” fará o clube desviar-se do seu caminho. “A Sport Lisboa e Benfica SAD desde a primeira hora pediu, e tem colaborado intensamente com as autoridades judiciais, para que tudo se investigue em prol do cabal esclarecimento de todas as questões, e está certa de que, nos locais e momentos próprios, a justiça será feita contra quem efetivamente tem cometido diversos crimes contra a nossa instituição”, lê-se.

Numa nota da direção, o jornal Expresso adianta ainda que, na passada terça-feira, o canal de televisão do Benfica noticiou uma denúncia anónima sobre um alegado plano contra o Benfica, supostamente orquestrado pelos clubes rivais com a “participação de jornalistas” e a conivência do sistema judicial. Segundo a nota daquele jornal, a denúncia terá partido do próprio Benfica, sendo a informação, que citava nomes de jornalistas daquela casa, “caluniosa” e “um ataque pessoal que visa intimidar jornalistas identificados e condicionar o seu trabalho”. Para o Benfica, contudo, a informação sobre a denúncia é “falsa”.

“A direção do Expresso repudia atos cobardes ad hominem e defende todos e cada um dos seus jornalistas, e o seu trabalho, no caso da investigação ao Benfica como noutras, como as que já revelaram negócios do Sporting com a Doyen, comissões obscuras em compras de jogadores do FC Porto ou suspeitas de fuga aos impostos de ídolos como Cristiano Ronaldo”, lê-se ainda.