Tech Auto

Primeiro eléctrico com fuel cell a metanol promete

1.265

Pelo escape sai água. Mas, ao contrário de outras propostas a célula de combustível, o RG Nathalie troca o hidrogénio por metanol. Sai mais barato e a autonomia chega a 1.200 km, garante o fabricante.

“Esta tecnologia vai dominar o mundo. Não há recarga envolvida e não há fios para ligar. Com o metanol, temos a nossa própria central de produção de energia eléctrica a bordo, dentro do carro ”, declarou Roland Gumpert à Auto Express.

Para quem este nome não é familiar, convém recordar que Roland é o antigo director da Audi Sport e o fundador da marca de desportivos Apollo Automobil. Gumpert associou-se agora à startup chinesa Aiways e, em conjunto com a empresa de engenharia dinamarquesa Serenergy, desenvolveu um desportivo com mais de 400 cv, cuja particularidade reside no facto de ser o primeiro carro eléctrico do mundo que usa metanol para produzir a energia de que necessita.

O RG Nathalie (Gumpert fez questão de dar ao modelo o nome da filha) monta um esquema motriz nunca antes visto que, garante a companhia, não só sai muito mais barato e rentável do que as tradicionais células de combustível a hidrogénio, já que não exige complexos sistemas para armazenar hidrogénio, como também não implica modificações do ponto de vista da infra-estrutura, pois qualquer estação de serviço fornece sem problemas metanol, com este a estar à temperatura e pressão ambiente, ao contrário do que acontece com hidrogénio. Dito de outro modo, esta tecnologia promete e muito!

Como é que tudo funciona? Tecnologicamente, estamos perante um processo que é similar ao que já anima modelos como, por exemplo, o Toyota Mirai ou o Honda Clarity. Sucede que, nestes dois casos, a electricidade é produzida através de uma célula de combustível a hidrogénio, ao passo que o Nathalie inova pela célula de combustível a metanol, um álcool que costuma ser obtido industrialmente através de uma reacção catalisada entre monóxido de carbono e hidrogénio. Ao passar o metanol pela pilha de combustível, que se encontra no compartimento da frente, gera-se apenas dióxido de carbono e água, mas como a produção de metanol não se faz sem retirar CO2 da atmosfera, o resultado final acaba por ser amigo do ambiente (é carbono neutro), com Gumpert a falar mesmo de zero emissões – considerando o well-to-wheel. E basta um depósito para percorrer 1.200 km, assegurou Roland Gumpert no Salão de Pequim, onde foi revelado o RG Nathalie.

A electricidade produzida a bordo alimenta um pack de baterias que se encontram na base do Nathalie, dispostas em forma de “T” – à semelhança do que acontece no Chevrolet Volt –, o que permite accionar os quatro pequenos motores eléctricos colocados junto de cada roda. A potência combinada do conjunto situa-se entre os 420 e 430 cv, num desportivo que pesa menos de 1.600 kg (a carroçaria é em fibra de carbono) e que tem uma distribuição de massas quase perfeita (45:55, frente/atrás) – argumentos que não só se reflectem numa aceleração de 0 a 100 km/h em menos de 2,5 segundos, como levam Gumpert desde já a garantir que vai a Nurburgring baixar o tempo de 7:11 obtido em 2009 pelo Gumpert Apollo.

A má notícia é que serão produzidas apenas 500 unidades do RG Nathalie e, embora o valor definitivo não esteja ainda fechado, Roland avisou já que o preço de cada exemplar vai ser elevado…

Participe nos Prémios Auto Observador e habilite-se a ganhar um carro

Vote na segunda edição do concurso dedicado ao automóvel cuja votação é exclusivamente online. Aqui quem decide são os leitores e não um júri de “especialistas” e convidados.

Participe nos Prémios Auto ObservadorVote agora

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: scarvalho@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)