A marca mais luxuosa da PSA apresentou um concept do que pode vir a ser um desportivo daqui a 17 anos. Denominado DS X E-Tense, assume-se como um monolugar, que pode ter lugar para mais dois passageiros, tendo ainda a curiosidade de ser assimétrico. É certo que a DS não pensa que um veículo deste tipo seja viável antes de 2035, mas é bom saber que, segundo os responsáveis da marca francesa, os carros vão continuar a ser potentes – pelo menos alguns deles –, esteticamente apaixonantes e, felizmente, com volante, para que o condutor continue a ser isso mesmo: condutor. Isto caso não deseje entregar-se ao conforto da condução autónoma.

Exibindo a frente tradicional da DS, o X E-Tense começa por surpreender por a grelha não estar no meio do carro, da mesma forma que o local onde daqui a 17 anos se colocará a chapa da matrícula não está localizado no centro geométrico da traseira. Na zona dianteira estão dois motores eléctricos, um por cada uma das rodas, num total de 1.360 cv, destinados às situações onde o condutor quer entregar-se a uma condução mais ousada, por exemplo em circuito. Caso pretenda apenas ir tomar um copo, ou dar um passeio, então pode optar pelo modo de condução mais civilizado, com “apenas” 544 cv.

Além das formas e da potência, o X- E-Tense apresenta outras características inovadoras, mas que dificilmente serão do agrado de todos, a começar pelo “chão” do carro em vidro electrocromático, segundo o fabricante para que o condutor se veja mais envolvido com a velocidade, ao ver o asfalto a passar sob ele. Isto, claro está, enquanto estiver limpo. Se ver a estrada passar sob si lhe causar calafrios, o condutor acaba por se poder sentir reconfortado por estar envolto por um habitáculo em pele, madeira e metal, ou não fosse a DS a marca mais sofisticada do grupo gaulês.