Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

“Tester deve demitir-se.” Foi uma das várias frases que o Presidente norte-americano escreveu no Twitter este sábado, referindo-se à polémica que envolve o médico da Casa Branca, Ronny Jackson, nomeado por si para o cargo de secretário do Departamento de Assuntos dos Veteranos.

Ronny Jackson desistiu da nomeação esta quinta-feira, depois de terem vindo a público uma série de acusações graves feitas por colegas e ex-colegas e divulgadas pelo senador Jon Tester. Donald Trump garante que confirmou com os serviços secretos que tais acusações não são verdadeiras: “Tester devia perder a eleição no Montana. É muito desonesto e doentio!“, escreveu sobre o senador democrata que faz parte do comité do Senado sobre Assuntos dos Veteranos.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A nomeação de Jackson começou por ser criticada inicialmente pela falta de experiência política do nomeado, mas a polémica estalou verdadeiramente depois de o senador Tester ter divulgado um documento na quarta-feira. Em causa estavam declarações de 23 pessoas, na maioria colegas ou ex-colegas de Jackson não identificados, que faziam acusações graves sobre a ação do médico da Casa Branca: segundo o relatório, há vários relatos de embriaguez (uma delas numa festa dos Serviços Secretos), um acidente com um carro do Governo também por estar intoxicado e várias situações que as testemunhas descreveram como “pouco éticas” e “abusivas”.

Tester acrescentou ainda que Jackson tinha a alcunha de “Candy Man” (Homem dos Doces) porque tinha fama de receitar medicamentos “como se fossem doces”, ou seja, de forma bastante liberal.

Médico promovido por Donald Trump a secretário de Assuntos dos Veteranos desiste da nomeação

Jackson classificou as alegações como “falsas e fabricadas”, mas na quinta-feira desistiu da nomeação para o Departamento de Assuntos dos Veteranos para não “prejudicar” o Presidente. Um dia depois, a Casa Branca saiu em defesa do médico: há apenas registo de três incidentes com carros governamentais que envolvem Jackson, mas em nenhum deles há registos de estar embriagado, garantem. Para além disso, os registos dos últimos três anos dão conta de que Jackson tem passado nas auditorias sobre a prescrição de substâncias controladas — houve recomendações, mas não houve registo de má conduta. Os Serviços Secretos também negaram as acusações que.

O Presidente envolveu-se no caso ao comentar o assunto numa entrevista à cadeia Fox onde declarou que o senador Tester deve “pagar um preço alto no Montana por estas acusações, referindo-se às eleições para o Senado que ocorrerão neste estado em novembro. Tester reagiu este sábado em comunicado: “É meu dever garantir que os veteranos do Montana têm aquilo de que precisam e que merecem e nunca deixarei de lutar por eles como senador”, declarou o democrata.

“Tenho as minhas mangas arregaçadas e estou pronto para trabalhar com o presidente [do comité, Johnny] Isakson para analisar e confirmar um secretário que esteja apto a gerir o departamento”, acrescentou. Interrogado sobre um possível substituto para Ronny Jackson, Donald Trump já disse que é difícil arranjar alguém para gerir “o grande monstro” que é este departamento, mas garantiu que já há uma lista de possíveis sucessores. “Já temos algumas pessoas [em mente], excelentes pessoas, pessoas muito políticas”, disse.