Importações

Bruxelas preparada para reagir caso Presidente norte-americano aplique tarifas ao aço e alumínio

Margaritis Schinas disse que Comissão Europeia está "paciente mas também preparada" caso Donald Trump decida aumentar as tarifas sobre as importações de aço e alumínio também na União Europeia.

Kai Forsterling/EPA

A Comissão Europeia assumiu esta segunda-feira estar preparada para reagir caso o Presidente norte-americano, Donald Trump, decida retroceder na decisão de isentar a União Europeia (UE) das taxas alfandegárias à importação de aço e alumínio. “A única coisa que vos posso dizer hoje é que estamos pacientes, mas também preparados”, afirmou o porta-voz da Comissão Europeia, na conferência de imprensa diária da instituição.

Margaritis Schinas confirmou que a comissária europeia do Comércio, Cecilia Malmstrom, tem agendada para esta segunda-feira uma conversa telefónica com o representante norte-americano para o Comércio, Robert Lighthizer, e que estão a decorrer “contactos a todos os níveis” entre o executivo comunitário e o Governo norte-americano.

“Percebo o interesse de muitos de vocês, que gostariam que eu fosse mais além na minha resposta. Não quero especular, ou antever qualquer possível resultado. Fico-me pelo estamos pacientes e preparados. O Dia do Trabalhador vai ser de muito trabalho para nós”, repetiu, diante da insistência dos jornalistas. O prazo para o Presidente norte-americano, Donald Trump, decidir se o aumento das tarifas sobre o aço e alumínio se passa a aplicar aos produtos com origem na UE termina esta segunda-feira.

Na semana passada, a chanceler alemã, Angela Merkel, e o Presidente francês, Emmanuel Macron deslocaram-se a Washington com o objetivo de tentar convencer Trump a tornar permanente a exceção da UE da aplicação das tarifas alfandegárias de 25 % para as importações de aço e de 10 % para as de alumínio.AMG // MSF

Lusa/fim

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Trabalho

Os super-homens não existem /premium

Pedro Afonso

Em vez de discutir o limite dos 70 anos, o Governo deve olhar para os que têm o direito de manter uma vida ativa até à idade da reforma, mas com um horário e funções laborais ajustadas à sua idade.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)