O investimento direto estrangeiro mundial caiu 18% para 1.411 biliões de dólares (1.163 mil milhões de euros) em 2017, com destaque em países europeus como o Reino Unido, Bélgica, Luxemburgo ou Espanha, e Estados Unidos. Num relatório publicado na sexta-feira, a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) sublinha que a União Europeia (UE) como conjunto recebeu 290.202 milhões de dólares, muito abaixo dos 531.044 milhões de dólares do exercício precedente, um decréscimo de 45%.

O país onde se registou o maior decréscimo entre os membros da UE, em termos absolutos, foi o Reino Unido, que ficou em 15.098 milhões de dólares, depois de ter alcançado um pico de 196.034 milhões de dólares em 2016, quando foi o segundo país do mundo, só atrás dos Estados Unidos. O Luxemburgo passou de 45.110 milhões de dólares em 2016 para 6.625 milhões em 2017, a Bélgica de 30.300 milhões de dólares para 801 milhões de dólares em 2017, a Holanda de 85.746 milhões de dólares para 57.853 milhões de dólares e Espanha de 31.736 milhões para 5.586 milhões de dólares.

Em contraste, outros países europeus registaram acréscimos dos fluxos de entrada, em particular França (49.812 milhões de dólares em 2017, depois de dos 35.155 milhões de dólares no exercício precedente) e Alemanha (de 29.859 milhões de dólares, depois de 12.321 milhões em 2016). No caso da Irlanda, os 28.983 milhões de dólares de 2017 significaram quase o triplo dos 12.542 milhões de dólares do exercício precedente, mas ficou muito abaixo do recorde de 215.829 milhões de dólares alcançado em 2015.

Os Estados Unidos voltaram no ano passado, amplamente destacados, a serem o país mais atrativo do mundo para o investimento, ao receber 286.854 milhões de dólares, ainda que muito abaixo dos 468.330 milhões de dólares de 2016 e ainda mais abaixo dos 476.684 milhões de 2015. Em segundo lugar ficou a China (tinha sido líder antes de 2015) com 168.224 milhões de dólares, um valor ligeiramente inferior aos 170.557 milhões de dólares de 2016 e muito longe do pico de 290.928 milhões alcançado em 2013.

Em terceiro lugar ficou o Brasil com 62.713 milhões de dólares, que traduzem um crescimento de face aos 57.935 milhões de 2016, mas longe dos 96.152 milhões de dólares de 2011.

Os Estados Unidos continuaram a ser o primeiro fornecedor de investimento estrangeiro em todo o mundo com 362.598 milhões de dólares em 2017 (depois dos 300.496 milhões de 2016), seguido pelo Japão (160.425 milhões de dólares depois de 145.230 milhões em 2016), a China (com 101.914 milhões de dólares em 2017 depois de 217.203 milhões em 2016), a Alemanha (com 77.483 milhões depois de 46.790 milhões) e o Canadá (com 76.966 milhões em 2017 contra 73.557 milhões em 2016).