Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Veneza tem cada vez mais turistas — por ano, a cidade italiana recebe cerca de 30 milhões de pessoas. No sábado, foram instalados torniquetes para regular o fluxo de visitantes naquela cidade. A medida, tomada pelo autarca da cidade, Luigi Brugnaro, já está a causar polémica. Dezenas de pessoas manifestaram-se no domingo contra os novos controladores de acesso.

A quantidade de turistas que chega a Veneza todos os anos está a tornar-se prejudicial à normal vivência na cidade. A verdade é que a população residente continua a cair: com cerca de mil habitantes a deixarem a cidade por ano. A nova medida implementada pelo autarca de Veneza — quatro controladores de acesso, dois na Praça de Roma, antes da Ponte da Calatrava, e outros dois antes da Ponte dos Descalços, de acordo com o jornal El País –, deixa assim as principais entradas da cidade sob controlo.

Apesar de Luigi Brugnaro estar satisfeito com as medidas implementadas, há já quem proteste contra elas. “É a primeira vez que se tenta regular o fluxo de turistas em Veneza. Claramente cometeremos muitos erros e teremos muitas críticas, mas até agora está a funcionar perfeitamente”, afirmou o autarca no sábado. Contudo, após a instalação dos torniquetes cerca de trinta pessoas saíram à rua para demonstrar o seu descontentamento. Nas mãos, levavam cartazes com inscrições como “Veneza não é uma reserva, não estamos em perigo de extinção”.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A organização de extrema esquerda Morion explicou, em comunicado, que a medida “demonstra a vontade do conselho de transformar, definitivamente, Veneza num parque temático” e que os “Check Point” são símbolo de que querem projetar a cidade “apenas para uso turístico, sem a valorizar”.

Os manifestantes defendem que os habitantes de Veneza não querem “portas na cidade” e, segundo os órgãos de comunicação locais, conseguiram mesmo remover uma das barreiras apesar de estarem a ser controladas pela polícia. Depois do incidente, Luigi Brugnaro anunciou no seu Facebook que o torniquete já tinha sido substituído e expressou o seu desejo de continuar a regular o número de visitantes.

O objetivo da implementação destas medidas é o controlo da ponte 1 de maio e do número de turistas que chegam à cidade. A polícia municipal pode mesmo receber ordens para encerrar o centro histórico em caso de excesso de pessoas.  A medida surge também como resposta às ameaças da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) de eliminar Veneza da lista de cidades que são património da humanidade.