Rádio Observador

Cimeiras

Os “espiões” que ajudam a preparar a cimeira EUA-Coreia do Norte

Serviços de informações norte-americanos querem ouvir todos -- e não são muitos -- os que tiveram acesso ao universo mais restrito de Kim Jong-un. Encontro com Trump deve acontecer em breve.

TOSHIFUMI KITAMURA/AFP/Getty Images

A prática não tem absolutamente nada de novo: quando o presidente dos EUA se encontra com outro líder político, os serviços de informações norte-americanos fazem o trabalho de casa e preparam um relatório com um perfil do interlocutor, para que o chefe da maior potência mundial esteja preparado para esse frente-a-frente. Essa, pode dizer-se, é a tradição.

Mas como é que se cumpre a tradição quando, do outro lado da mesa, estará — tudo aponta para que o encontro histórico vá mesmo acontecer — o líder de uma das potências mais fechadas do mundo? Um líder com que poucas pessoas tiveram contacto direto e, dessas, menos ainda são as que os EUA podem contactar diretamente. Aí, vale tudo: desertores da Coreia do Norte, certo; um secretário de Estado e ex-diretor da CIA, também parece natural; mas há também diplomatas, chefes de Estado, um jogador de basquetebol e até um chef de cozinha.

A cimeira entre Donald Trump e Kim Jong-un deve realizar-se ainda em maio.

A missão dos serviços norte-americanos é particularmente relevante porque está em causa um dos encontros mais sensíveis entre um presidente dos EUA e outro líder mundial. Depois do encontro da semana passada com o presidente da Coreia do Sul, as autoridades norte-coreanas — citadas por fontes de Seul — abriram a porta a uma desnuclearização de Pyongyang já em maio. Mas, agora, é preciso ir além das palavras. Será esse o grande foco de Trump. Depois, então, poderá ponderar-se a pacificação total das relações entre os dois Estados da península coreana.

É por isso que o presidente dos EUA conta ter um perfil tão completo quanto possível de Jong-un — para ter vantagem negocial quando os dois se encontrarem pessoalmente, descreve a Reuters. Os serviços contam ouvir todos aqueles que tiveram acesso ao círculo mais restrito do norte-coreano, a começar por Mike Pompeo.

Há duas semanas, o secretário de Estado e antigo diretor da Central Inteligente Agency (CIA) esteve em Pyongyang para um encontro privado com Jong-un. “Um tipo esperto que está a fazer o trabalho de casa”, terá descrito o responsável norte-americano em privado, de regresso a Washington.

Dennis Rodman, o ex-basquetebolista que se encontrou por diversas vezes com o líder norte-coreano, é provavelmente um dos norte-americanos com maior acesso a Jong-un. É uma das pessoas que os serviços de informações estão interessados em ouvir, numa lista que ainda inclui, de acordo com a Reuters, antigos colegas de Kim na Suíça (onde o líder coreano estudou), um chef de sushi que trabalhou diretamente para o governante e, ainda, enviados sul-coreanos a Pyongyang. Pode ser o caso do próprio presidente da Coreia do Sul, que se reuniu longamente com o homólogo do norte na semana passada.

“Há um esforço robusto do Governo [dos EUA] em curso para preparar a cimeira do Presidente” Donald Trump, limitou-se a dizer uma fonte oficial da Casa Branca, quando questionada sobre o que estava a ser feito para preparar o encontro ainda sem data fechada.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Brexit

Pode haver acordo em Bruxelas /premium

João Marques de Almeida

O Brexit já acabou com dois líderes conservadores. Desconfio que também acabará com um líder trabalhista. A Europa não divide apenas os conservadores. Também divide, e muito, os trabalhistas.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)