Rádio Observador

Hospital de São José

Atrasos nas consultas e confusão dos utentes marca greve no Hospital S. José

A greve no Hospital de São José, em Lisboa, provocou atrasos nas consultas e confusão dos utentes no encaminhamento para as consultas. Adesão dos trabalhadores da saúde ronda os 80%.

A greve de dois dias abrange todos os trabalhadores da saúde, exceto médicos e enfermeiros, dos serviços tutelados pelo Ministério da Saúde

Manuel Almeida/LUSA

Atrasos nas consultas e alguma confusão dos utentes no encaminhamento para as consultas marcava a manhã desta quarta-feira no Hospital de São José, em Lisboa, onde a adesão à greve dos trabalhadores da saúde ronda os 80%, segundo o sindicato.

Há uma forte greve no Hospital de São José e nos outros hospitais de Lisboa”, disse à agência Lusa Carlos Moreira, do Sindicato dos Trabalhadores da Administração Pública (Sintap), que assegurou um piquete de greve junto às consultas externas do hospital, que integra o Centro Hospitalar de Lisboa Central.

Na porta de entrada das consultas externas está fixado um comunicado do hospital que alerta os utentes para a possibilidade de haver “algumas perturbações no funcionamento das consultas” devido à greve dos trabalhadores do setor da saúde.

Alguns utentes contactados pela agência Lusa disseram que não sabiam da greve marcada para quarta-feira e quinta-feira, mas adiantaram que não demoraram muito tempo a ser atendidos. Outros foram atendidos à hora marcada, como Ana Santos que já tinha feito o penso e esperava apenas a ambulância para a levar de regresso a casa.

A confusão maior era junto às máquinas de retirar a senha para as consultas de especialidade. “Onde está a senhora que costuma estar aqui para nos ajudar?” era a pergunta mais ouvida na sala de entrada das consultas externas, onde a maioria dos utentes eram idosos.

Sobre os impactos da greve neste hospital, Carlos Moreira disse que “há um atraso nas consultas”, explicando que as consequências não são maiores porque estão a ser cumpridos os serviços mínimos.

Os serviços não encerram porque há sempre colegas a assegurar o serviço, mas obviamente há mais demoras e algumas especialidades estão a ter dificuldades porque o número de trabalhadores que tem de apresentar-se ao serviço é [decidido] consoante os rácios que existem e, portanto, há serviços em que a demora está a ser maior do que noutros”, disse o sindicalista.

Carlos Moreira adiantou que todos os trabalhadores que “não têm que prestar os serviços mínimos estão a aderir” à paralisação, que visa exigir a aplicação do regime de 35 horas de trabalho semanais para todos os trabalhadores, progressões na carreira e o pagamento de horas extraordinárias vencidas e não liquidadas.

A nível nacional, “há uma adesão forte à greve, na ordem dos 70 a 80%”, disse, adiantando que “há alguns serviços fechados, nomeadamente no Hospital de Portimão”.

“Infelizmente, há também alguns hospitais e algumas chefias que estão a procurar que os trabalhadores não façam greve”, disse o sindicalista, denunciando que no “Hospital da Figueira da Foz houve estagiários que foram substituir trabalhadores que estão a fazer greve.”

As administrações hospitalares têm que cumprir aquilo que são as obrigações legais”, defendeu Carlos Moreira.

Sobre os números de adesão à greve, o sindicalista afirmou que “são altamente satisfatórios” e que revelam “a insatisfação” dos trabalhadores para “com as entidades patronais e sobretudo com o Governo”.

Para o sindicalista, o “Governo deve olhar para os seus trabalhadores com sentido de igualdade”, considerando que “não faz sentido que haja dois colegas com horários diferentes a receber o mesmo salário”.

A greve de dois dias, que arrancou esta quarta-feira, foi convocada pelo Sintap e abrange todos os trabalhadores da saúde, exceto médicos e enfermeiros, dos serviços tutelados pelo Ministério da Saúde, como hospitais ou centros de saúde.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Hospital de São José

Misérias e grandezas /premium

Laurinda Alves
691

Aqueles corredores [de São José] são habitados por pessoas desfiguradas por acidentes e doenças. À primeira vista é tudo muito feio, mas olhando com atenção conseguimos ver muita beleza.

Hospitais

Hospital de São José em Agosto

Jaime Nogueira Pinto
1.572

Esquecendo os meus males naquela tarde de Agosto pensei no privilégio de ali estar em São José, onde a presença do Bem se ia impondo no meio do mal, onde a caridade e a eficácia superavam tudo o resto

Política

A sobrevivência do socialismo /premium

André Abrantes Amaral

O socialismo é a protecção de um sector contra os que ficam de fora. O desejo de ordem e a desresponsabilização é natural entre os que querem segurança a todo o custo.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)