Ty Cobb, advogado da Casa Branca que está responsável pela estratégia legal de Donald Trump no caso da investigação a conluio com a Rússia, irá abandonar a defesa do Presidente e reformar-se no final deste mês, segundo confirmou a própria Casa Branca esta quarta-feira.

“Durante várias semanas, Ty Cobb discutiu a possibilidade de se reformar e na semana passada informou o chefe de gabinete Kelly que se irá reformar no final deste mês”, disse a secretária de Imprensa Sarah Huckabee Sanders.

A notícia surge num momento em que a investigação do procurador-especial Robert Mueller a Trump aperta o cerco, estando as equipas legais a discutir uma possível entrevista de Mueller ao Presidente. Horas antes do anúncio, Cobb deu uma entrevista à ABC onde avançou que as negociações estavam a avançar bem. “Assumindo que é possível chegar a uma conclusão favorável, haverá uma entrevista”, disse o advogado, de 68 anos.

Ty Cobb é o segundo advogado da Casa Branca a abandonar a equipa legal do Presidente, depois de John Dowd se ter demitido em março. De acordo com a imprensa norte-americana, Cobb mantinha uma postura de cooperação com a investigação, sublinhando que o Presidente não tem nada a esconder e que a Casa Branca está em “modo de plena cooperação”.

Esta quarta-feira, o New York Times avançou que o provável substituto de Cobb será Emmet Flood, um advogado experiente que fez parte das equipas legais de outros presidentes, como George W. Bush. Flood foi também o advogado responsável pela defesa de Bill Clinton quando este foi alvo de um processo de impeachment.

Em março, o Times noticiou que Trump estaria a ter as primeiras negociações com Flood para que este viesse a fazer parte da sua equipa. Contudo, o Presidente desmentiu o artigo e sublinhou estar “MUITO feliz” com a sua equipa de advogados.