Rádio Observador

Sem-abrigo

Marcelo diz que há 3.059 sem-abrigo em Portugal

O Presidente da República disse que há um total de 3.059 pessoas sem casa em Portugal e anunciou que vai ser assinado "um protocolo" que terá como principal objetivo a habitação para os sem-abrigo.

MANUEL FERNANDO ARAÚJO/LUSA

O Presidente da República anunciou esta quarta-feira que há 3.059 sem-abrigo em Portugal e que as secretarias de Estado da Segurança Social e da Habitação vão assinar um “protocolo” para integrar aquelas pessoas sem casa através da habitação.

Em declarações aos jornalistas no Porto, Marcelo Rebelo de Sousa disse que tomou conhecimento, esta quarta-feira, de que há um total de 3.059 pessoas sem casa em Portugal e que o número vai ser completado “brevemente” com o apuramento das pessoas que se encontram em “risco de situação de sem-abrigo”, o que naturalmente será um “número porventura mais elevado”.

“O número a que se chegou é de 3.059. Estamos a falar daqueles que não tem nem teto, nem casa”, declarou o Presidente da República, anunciando que vai ser assinado “um protocolo” pelas secretárias de Estado da Segurança Social, Cláudia Joaquim, e da Habitação, Ana Pinho, e que tem a “habitação” como um dos “componentes fundamentais da integração dos sem-abrigo”.

“Na política da habitação definida e que se traduzirá numa série de diplomas, alguns aprovados pelo Governo, outros que irão à Assembleia da República para debate e aprovação, e que serão apresentados já dentro de dias na Assembleia da República e objeto de primeira discussão, entra a prioridade dos sem-abrigo”, declarou após uma reunião de duas horas e meia com as secretarias de Estado da Segurança Social e da Habitação e as associações de apoio aos sem-abrigo no Porto.

O Presidente da República anunciou também que nos próximos dias 31 de maio e 1 de junho está previsto participar no Porto num “percurso com as várias instituições sociais”, em conjunto com a Câmara Municipal do Porto e com a Santa Casa da Misericórdia do Porto, para estar com os sem-abrigo.

“Aqui estaremos para fazermos em conjunto esse percurso”, prometeu, referindo que a iniciativa vai decorrer numa parte do dia 31 de maio — fim da tarde e noite -, e outra parte do dia 1 de junho — manhã -, altura em que estará em contacto não só com as instituições de apoio aos sem-abrigo, mas sobretudo em contacto com aqueles que são a razão de ser” daquela causa.

O Presidente da República está empenhado em criar uma Estratégia Nacional que dê resposta à integração das pessoas sem-abrigo até ao ano 2023, participando na quarta reunião sobre aquele tema e que decorreu pela primeira vez no Porto.

Em novembro de 2017, Marcelo Rebelo de Sousa vestiu o ‘fato’ de voluntário e esteve no terreno com instituições que apoiam sem-abrigo em Lisboa e em fevereiro deste ano veio dizer que o número de sem-abrigo é superior ao que se pensa.

O Presidente da República visitou esta manhã, no Porto, o Mercado Temporário do Bolhão, depois reuniu da parte da tarde com as associações de apoio aos sem-abrigo no Centro de Acolhimento de Emergência da Câmara Municipal do Porto (antigo Hospital Joaquim Urbano), e visitou o Hospital Magalhães Lemos.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)