Deficiência

Vigília de três dias começa esta quarta-feira para pedir mais apoios para Centros de Apoio à Vida Independente

Um reforço do orçamento para a constituição de Centros de Apoio à Vida Independente é a principal reivindicação da vigília , que começa esta quarta-feira e se prolonga até sexta-feira.

NARENDRA SHRESTHA/EPA

O Centro de Vida Independente inicia esta quarta-feira uma vigília de três dias para chamar a atenção para a vida independente e os direitos das pessoas com deficiência e das suas famílias. Um reforço do orçamento para a constituição de Centros de Apoio à Vida Independente é a principal reivindicação da vigília, que começa esta quarta-feira e se prolonga até sexta-feira, culminando com uma marcha de protesto.

Em declarações à agência Lusa, um dos membros da direção do Centro de Vida Independente explicou que as reivindicações relativas à vida independente são “novas, urgentes e emergentes” e criticou o valor de 1,4 milhões de euros definido para a constituição de cada Centro de Apoio à Vida Independente (CAVI). De acordo com Diana Santos, este é um “orçamento claramente insuficiente para as necessidades expostas pelas associações”.

“Pretende-se fazer uma espécie de apoio domiciliário ‘gourmet’ porque não há horas suficientes nem capital investido para proporcionar a qualidade e as horas necessárias para as pessoas com diversidade funcional, e essa é a nossa maior reivindicação”, argumentou. Para Diana Santos, seriam precisos pelo menos cinco milhões de euros por CAVI para cumprir o estipulado, ou seja, “até 40 horas semanais para 70% dos utilizadores, mais de 40 horas semanais, até um limite de 24 horas por dia para os outros 30%”.

Diana Santos referiu que estão previstos CAVI que irão apoiar 50 ou mais pessoas, se assim se justificar, mas o orçamento não aumenta dos 1,4 milhões de euros por três anos, apesar de apoiarem mais utentes. O Centro de Vida Independente tinha inicialmente previsto realizar apenas a marcha para comemorar o Dia Europeu da Vida Independente, que se assinala a 05 de maio, mas, disse Joana Santos, tendo em conta os “atrasos” em relação aos CAVI, o entendimento foi o de que não bastava enaltecer a vida independente, mas também reivindicar “os apoios que já vêm tardios”.

Entre as outras reivindicações, estão as acessibilidades, políticas de acesso a uma escola “realmente inclusiva”, políticas de promoção de empregabilidade, “que não existem”, apoios para as famílias, além de uma” política justa de atribuição de ajudas técnicas”. No que diz respeito à adesão às duas iniciativas, Diana Santos disse esperar que todas as associações de defesa das pessoas com deficiência se associem, mas admitiu que não será fácil dadas as dificuldades com as acessibilidades.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Deficientes

Adorável compromisso de lideranças /premium

Laurinda Alves
355

24 homens e mulheres que gerem 24 das maiores empresas que operam em Portugal assinaram um documento em que se comprometem a reforçar nas suas organizações a empregabilidade de pessoas com deficiência

Deficientes

O Sol, quando nasce, é para todos! /premium

Laurinda Alves
526

Ir à praia e apanhar sol é, para pessoas portadoras de deficiência e/ou com mobilidade reduzida, fonte de bem-estar e saúde. É mesmo uma necessidade básica de saúde dos cidadãos, mediterrânicos ou não

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)