Em mês de celebração dos 45 anos do Partido Socialista (PS), o partido lançou uma campanha nas redes sociais para lembrar e enaltecer os feitos e as personalidades que marcaram, e marcam, a história dos socialistas. Intitulado “45 anos, 45 marcas e 45 rostos“, a página oficial de Twitter do PS encheu-se de rostos e de feitos mais ou menos emblemáticos nos últimos 42 dias. Faltam três dias, logo, três rostos. Curiosamente, o rosto escolhido para esta quinta-feira, o dia 42, foi o rosto do ex-secretário-geral e ex-primeiro-ministro José Sócrates.

O destaque acontece precisamente no rescaldo das declarações feitas por dirigentes socialistas sobre as acusações de corrupção de que Sócrates é alvo, com nomes como Carlos César, líder parlamentar e presidente do PS, ou João Galamba, porta-voz do partido, a admitirem “vergonha” e embaraço para o partido. “Obviamente que é algo que envergonha qualquer socialista, sobretudo se as matérias de que é acusado se vierem a confirmar”, disse João Galamba num comentário televisivo. Antes, Carlos César já tinha dado o tiro de partida. Assumindo que o partido sente “vergonha” das suspeitas de corrupção que recaem sobre Manuel Pinho, César admitiu mesmo que a “vergonha” era ainda maior no caso que envolve José Sócrates e a acusação que sustenta a Operação Marquês. “A vergonha até é maior porque era primeiro-ministro”, reconheceu.

Questionada pelo Observador, fonte do partido explica a naturalidade da publicação da fotografia de José Sócrates, porque surge na reta final da campanha publicitária, em que o destaque está a recair sobre “todos os secretários-gerais do PS” — excepto Mário Soares, porque já mereceu destaque noutro momento. Antes de Sócrates, o destaque foi para Eduardo Ferro Rodrigues, antes para António Guterres e antes para Vítor Constâncio. Nos próximos dias seguem-se António José Seguro e António Costa. “Todos os dias um rosto e um momento relevante na história do PS”, explica a mesma fonte.

Depois de ter celebrado 45 anos no dia 19 de abril, a ideia da campanha é enaltecer os vários feitos do partido. Para isso, a cada dia corresponde um rosto e um momento. O dia de ontem, por exemplo, foi dedicado a Ferro Rodrigues e à criação da RTP África. Antes, tinha sido António Guterres e a reversão da privatização dos transportes públicos urbanos de Lisboa e Porto, ou antes ainda tinha sido, por exemplo, Jorge Sampaio e a aprovação da lei da paridade, em 2006.

O caso de Manuel Pinho, o ex-ministro da Economia que está a ser acusado de ter beneficiado a EDP enquanto ministro e de ter recebido mais de um milhão de euros do Grupo Espírito Santo, foi a gota de água para os dirigentes socialistas começarem a falar, pela primeira vez, do “incómodo” que sentem pelo caso José Sócrates. “O PS acha que estes casos se resolvem antes de mais na justiça”, diria João Galamba, mas acrescentando de seguida: “Mas se me perguntam se fico satisfeito por um ex-secretário-geral do PS, que foi antigo primeiro-ministro, estar formalmente acusado, obviamente que não.”

Posição semelhante teve Carlos César. “Quando os políticos se encontram perante a necessidade de escrutinar alguém sob alçada da justiça não podem nem devem prescindir de o fazer”, disse, assumindo uma posição que contrasta com a gestão política que o PS tem feito do caso que envolve José Sócrates — desde a detenção do ex-primeiro-ministro, a 21 de novembro de 2014, António Costa e outros dirigentes do partido foram repetindo de uma ou de outra forma a frase “à política o que é da política e à justiça o que é da justiça” para não se pronunciarem sobre o processo.