O secretário-geral comunista afirmou esta quinta-feira que a polémica sobre as ligações entre o ex-governante Manuel Pinho e o grupo Espírito Santo “não é caso único” e propôs o alargamento do inquérito parlamentar a outras empresas. “Em relação à chamada de Manuel Pinho para audição na Assembleia da República estamos de acordo. Estamos de acordo com a comissão de inquérito, embora com uma nota: creio que não é caso único, como é sabido”, afirmou Jerónimo de Sousa.

O líder do PCP respondia a jornalistas após uma reunião com representantes da Associação Sindical dos Juízes Portugueses centrada nas questões da “revisão do estatuto e carreiras”. “Essa comissão de inquérito faria bem em alargar o seu âmbito. Vamos fazer propostas neste sentido. O BE admitiu estar aberto a esta dimensão. Vamos ver como se vai votar”, anunciou, referindo as privatizações ou concessões de “PT/Altice, CTT, transportes”, entre “outros setores”.