A nova ministra da Administração Territorial da Guiné-Bissau, Ester Fernandes, suspendeu todos os governadores regionais “até novas instruções”, ficando a gestão das regiões, transitoriamente, sob a responsabilidade dos secretários regionais. Em despacho a que a Lusa teve esta sexta-feira acesso, Ester Fernandes sustenta a sua decisão com a necessidade de se imprimir “um controlo eficaz” na gestão administrativa local.

O vice-presidente do Partido da Renovação Social (PRS), Certório Biote, afirmou que não concorda com a medida, propondo à ministra que a anule “em nome da coesão do Governo” e exorta a direção do Partido Africano da Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC) para um diálogo urgente. O PAIGC e o PRS assinaram na semana passada um acordo que possibilitou a formação do Governo liderado por Aristides Gomes e integrado maioritariamente por figuras indicadas pelos dois partidos.

Segundo Biote, o acordo de partilha de pastas no Governo é também extensivo à governação regional, pelo que, notou, o PAIGC estaria a violar o compromisso com as medidas decretadas pela ministra da Administração Territorial, proposta por aquele partido. O líder do PAIGC, Domingos Simões Pereira, já se tinha referido ao assunto, tendo considerado de curiosas as alegações do PRS, lembrando que no passado aquele partido “baniu da administração local” os responsáveis que tinham sido indicados pela sua força política.

Simões Pereira disse que o PAIGC “está aberto para ouvir as propostas do PRS” sobre a governação local, mas desde já avisa que é pela indicação de “pessoas com capacidade e competência” para as regiões. Tirando Bissau, que é um setor autónomo, onde é nomeado um presidente da Câmara Municipal, a Guiné-Bissau conta com oito regiões e 36 setores.