O arbitro francês Tony Chapron, envolvido na expulsão polémica de um futebolista do Nantes, depois de ter pontapeado o jogador quando caia, foi eleito o melhor do ano pelos seus colegas.

O Sindicato de Árbitros de Futebol de Elite (SAFE), que representa os ‘juízes’ das I e II ligas francesas, nomeou Chapron, que vai receber o galardão em 13 de maio, em cerimónia que destaca ainda futebolistas, treinadores e dirigentes.

A decisão causou alguma surpresa, uma vez que Chapron, de 46 anos, está afastado dos relvados desde 14 de janeiro, por ter sido castigado após expulsar Diego Carlos, ex-Estoril, em lance ocasional com o brasileiro, uma vez que tropeçou no jogador e acabou por pontapeá-lo na queda, expulsando-o de seguida.

Em 01 de fevereiro, foi punido oficialmente com três meses, castigo que colocava um ponto final na sua carreira, uma vez que já tinha anunciado que esta seria sua última temporada.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Mais tarde, Chapron justificou-se, considerando que tinha sido “atropelado” por Diego Carlos e que na altura do choque sentiu ma “grande dor, em lesão recente”, pelo que, “num gesto irrefletido”, estendeu a perna “na direção do jogador”.

O árbitro internacional francês, que sempre foi apoiado pelos seus colegas, reconheceu que o gesto foi “estranho e inadequado” e pediu desculpas ao brasileiro, reconhecendo, após o visionamento das imagens, que o choque “não foi intencional”.

Segundo noticia o jornal L’Équipe, a direção técnica de arbitragem tentou, até à última, fazer mudar os árbitros de opinião, mas sem êxito.