A polícia indiana prendeu hoje 14 pessoas suspeitas de sequestrar, violar e queimar o corpo de uma adolescente, no mais recente caso de crimes contra as mulheres na Índia, mesmo com o recente endurecimento das leis.

O magistrado do distrito, Jitendera Singh, disse que os acusados sequestraram a adolescente em Chatra, uma aldeia no estado de Jharkhand, enquanto a jovem estava a participar numa cerimónia de casamento, na quinta-feira.

Alguns dos acusados alegaram que a violaram e depois deixaram-na ir para casa.

Os líderes do conselho da aldeia impuseram uma multa de 50.000 rupias (585 euros) aos acusados no dia seguinte aos acontecimentos.

Singh disse que, na sexta-feira, os suspeitos espancaram membros da família da jovem por fazerem queixa deles.

O magistrado disse ainda que a polícia está a procurar o principal suspeito do caso.

A Índia tem sido abalada por uma série de agressões sexuais desde 2012, quando uma estudante foi violada e assassinada num autocarro em Nova Deli. Esse ataque gerou no país uma revolta generalizada em relação aos crimes contra as mulheres, que há muito tempo era aceite silenciosamente.

O Governo indiano aprovou uma série de leis aumentando a punição pela violação de um adulto para 20 anos de prisão, mas continua a haver casos frequentes no país.

Respondendo à indignação generalizada em relação aos recentes casos de violação e assassínio de crianças e adolescentes, o Governo da Índia aprovou no mês passado a pena de morte para condenados por violar crianças menores de 12 anos.