A China defendeu hoje perante os EUA que as negociações com a Coreia do Norte têm de ser um caminho “de duas direções”, um com vista à desnuclearização da península e outro à concretização de um mecanismo de paz.

O diretor do departamento de Assuntos Externos do Partido Comunista na China, o conselheiro de Estado Yang Jiechi, teve no sábado uma conversa telefónica com o secretário de Estado dos Estados Unidos da América (EUA), Mike Pompeo, para falar sobre a península coreana.

De acordo com o porta-voz do Ministério dos Assuntos Externos, Yang sublinhou a postura da China sobre a desnuclearização, paz e estabilidade da península e insistiu na necessidade de diálogo.

“Espera-se que todas as partes possam considerar o enfoque deste caminho de duas direções proposto por China”, consistente na “promoção da desnuclearização da península e com o estabelecimento de um mecanismo de paz”, sinalizou o representante, citado pela agência EFE.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A China apelou hoje a todas as partes para que mantenham um “impulso positivo” de forma a resolver o problema e para que abordem “as preocupações de segurança razoáveis” de “forma equilibrada”, com vista ao “objetivo final de paz e estabilidade duradoura na península e na região”.

Em 27 de abril, os líderes da Coreia do Sul e da Coreia do Norte, respetivamente Moon Jae-in e Kim Jong-un, assinaram um acordo de paz, com efeitos para o final deste ano, que estabelece como “objetivo comum” garantir a “desnuclearização total” da península coreana.

Em 02 de maio, o ministro chinês das Relações Externas, Wang Yi, reuniu-se em Pyongyang com o seu homólogo norte-coreano, Ri Yong-ho, num encontro aparentemente destinado a trocar impressões sobre os resultados da histórica reunião entre as duas Coreias.

Pequim, que apoia há alguns anos a desnuclearização do regime de Pyongyang, mostrou desde essa altura a sua disposição para trabalhar com as duas Coreias e com os EUA com vista a ser alcançado um tratado de paz.