Casa Branca

Equipa de Trump contrata agência israelita para espiar diplomatas de Obama

A equipa do Presidente dos EUA contratou uma agência privada de inteligência israelita para orquestrar uma campanha destinada a desacreditar os responsáveis da Administração de Obama.

Zach Gibson / POOL/EPA

A equipa do Presidente norte-americano, Donald Trump, contratou uma agência privada de inteligência israelita para orquestrar uma campanha destinada a desacreditar os responsáveis da Administração de Obama pela negociação do acordo nuclear iraniano, revela o jornal The Observer.

A informação foi publicada antes da data limite para Trump decidir se mantém ou abandona o pacto firmado em 2015 entre os EUA, o Reino Unido, a Alemanha, a França, a China e a Rússia, no âmbito do qual são aliviadas as sanções contra Teerão a troco de um compromisso do país de abandonar o desenvolvimento de armas nucleares.

Segundo o The Observer, funcionários próximos de Trump contrataram investigadores privados, em maio do ano passado, para conseguir informações “sujas” sobre Ben Rhodes, um dos assessores de segurança nacional do ex-presidente democrata Barack Obama, e também sobre Colin Kahl, outro assistente do antigo mandatário.

O Presidente norte-americano tem até sábado, dia 12, para decidir se os EUA abandonam o pacto que limita o programa nuclear iraniano, mas por diversas vezes já manifestou a oposição ao acordo, que apelidou de “o pior negócio de sempre”.

O jornal adianta ainda que os funcionários ligados à equipa de Trump contactaram os investigadores dias depois de o Presidente ter visitado Telavive, há um ano.

Donald Trump prometeu ao primeiro ministro israelita, Benjamín Netanyahu, que o Irão nunca teria armas nucleares.

“A ideia era que estas pessoas, que atuam pelo Trump, desacreditassem aqueles que foram essenciais para alcançar o acordo, tornando mais fácil a sua saída”, declarou uma fonte ligada à campanha.

De acordo com documentos a que o The Observer afirma ter tido acesso, os investigadores contratados pela agência privada de inteligência haviam recebido instruções para investigar a vida privada e política de Rhodes e de Khal.

Sobretudo, tinham como missão investigar as relações pessoais destes dois responsáveis e qualquer possível envolvimento em grupos de pressão próximos do Irão, assim como estabelecer se de alguma forma beneficiaram pessoal ou politicamente do pacto.

Os investigadores foram também orientados para procurar destacados iranianos-americanos, assim como jornalistas favoráveis ao acordo, de meios de comunicação como o New York Times ou o jornal israelita Haaretz.

O Observer acrescenta que fontes ligadas a esta campanha confirmaram que o plano foi apresentado a investigadores privados por representantes de Trump, mas não está claro se se trabalhou muito nele, se durou muito tempo e o que aconteceu com a informação eventualmente reunida.

Também não se sabe se esta operação envolveu parte de uma ampla colaboração entre Trump e Netanyahu para prejudicar o acordo, ou se os investigadores tinham outras pessoas como alvo, entre elas John Kerry, o ex-secretário de Estado que assinou o acordo.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Casa Branca

Quando Trump ganha e o mundo perde /premium

Diana Soller
202

O Pentágono, o último bastião da oposição interna às políticas do presidente Trump, caiu. Mattis não estaria disposto a entregar o Médio Oriente à Rússia e os curdos à Turquia.

Ensino Superior

As propinas: uma história muito mal contada

Jose Bento da Silva

A questão não são as propinas. Isso é de fácil resolução. O desafio é: qual o modelo de gestão que queremos para as nossas universidades? O modelo atual não passa de um circo pago pelos contribuintes.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)