A 11 de Maio de 1968, no campo de golfe de Deauville, surgiu pela primeira vez o Citroën Mehari – uma proposta tão simples e versátil quanto despretensiosa, que rapidamente permitiu ao modelo francês conquistar fãs.

Sobre a plataforma do Dyane 6 e com um peso-pluma (525 kg), o Mehari evoluiu posteriormente para uma versão 4×4 (1979), que fez dele um dos melhores aliados para a aventura. A aventura comercial, essa, viria a terminar apenas 19 anos depois da sua apresentação e após cerca de 145.000 unidades fabricadas.

Mas se a produção do icónico carro francês cessou em 1987, haveria de ser retomada 25 anos depois. Noutros moldes: o Mehari passou a e-Mehari, pois tornou-se eléctrico, mas manteve o seu espírito jovem e irreverente.

Foi justamente com o intuito de realçar essas qualidades que Jean-Charles de Castelbajac deu um banho de cor ao cabriolet de quatro lugares. Segundo o artista, com esta obra, ele pretendeu unir arte e moda – as suas razões de viver e dois conceitos em que se encaixa o e-Mehari.