Iémen

Pelo menos seis mortos e 30 feridos em ataques ao palácio presidencial do Iémen

Dois ataques aéreos ao palácio presidencial no Iémen causaram seis mortes e 30 feridos. Teme-se que muitas pessoas tenham ficado soterradas nos escombros. O edifício ficou completamente destruído.

YAHYA ARHAB/EPA

Autor
  • Agência Lusa

Pelo menos seis pessoas morreram e 30 ficaram feridas em dois ataques aéreos sucessivos contra o palácio presidencial do Iémen, em Sanaa, a capital controlada pelos rebeldes Huthi, disseram fontes médicas, citadas pelas agências internacionais.

As fontes, que não podem ser identificadas por não estarem autorizadas a falar com os media, disseram à Associated Press que todos os seis mortos eram civis. A capital do Iémen é controlada pelos rebeldes xiitas Huthi desde 2014, mas não foi precisado até ao momento se havia elementos da milícia no interior do palácio no momento do ataque ou se há vítimas entre eles.

O edifício de três andares ficou completamente destruído, enquanto outros edifícios naquela zona movimentada da cidade — incluindo um hotel de cinco estrelas — ficaram muito danificados. Alguns veículos ficaram carbonizados e o pavimento ficou manchado de sangue. Teme-se que muitas pessoas tenham ficado soterradas nos escombros. A televisão Al-Massirah e a agência Saba, controladas pelos rebeldes, referiram a existência de dezenas de mortos e de feridos, sem avançar um balanço exato.

Testemunhas citadas por agências internacionais disseram que aviões de combate fizeram vários bombardeamentos sobre a capital, cerca do meio-dia desta segunda-feira. Dois desses bombardeamentos atingiram a presidência, situada na movimentada zona comercial de Tahrir, perto de um grande hotel, de um banco e de várias lojas, segundo as mesmas fontes.

“Precipitámo-nos para o local depois da primeira explosão e vimos pessoas presas nos escombros. Foi então que ocorreu o segundo ataque”, relatou um socorrista, Ahmed Dehecher, à agência France-Presse. Esta é a primeira vez que o palácio presidencial é visado num ataque.

A coligação árabe, liderada pela Arábia Saudita, intervém militarmente no Iémen desde 2015 em apoio do governo internacionalmente reconhecido e contra os Huthi. O ataque foi lançado horas depois de as defesas antiaéreas sauditas terem intercetado no sul do país dois mísseis balísticos disparados pelos rebeldes iemenitas, segundo a coligação.

Os mísseis foram disparados da província de Amran, a norte de Sanaa, segundo o porta-voz da coligação, o coronel saufita Turki al-Maliki. Trata-se, segundo o responsável, de “mais uma prova” do fornecimento de armamento aos rebeldes pelo Irão. Teerão apoia politicamente os Huthi, mas nega qualquer ajuda militar à milícia. Segundo a ONU, a guerra no Iémen já fez cerca de 10 mil mortos e 53 mil feridos e causou a pior crise humanitária dos últimos anos.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)