Cruz Vermelha

Responsáveis da Cruz Vermelha da Finlândia e Quénia recebem Prémio Norte-Sul

A secretária-geral da Cruz Vermelha finlandesa, Kristiina Kumpula, e ao secretário-geral da Cruz Vermelha do Quénia, Abbas Gullet, vão receber o Prémio Norte-Sul. Cerimónia decorre em Lisboa.

DANIEL IRUNGU/EPA

Os responsáveis da Cruz Vermelha da Finlândia e do Quénia recebem esta segunda-feira, em Lisboa, o Prémio Norte-Sul do Conselho da Europa, que distingue o seu trabalho humanitário.

Na sua 23.ª edição, o prémio é atribuído este ano à secretária-geral da Cruz Vermelha finlandesa, Kristiina Kumpula, e ao secretário-geral da Cruz Vermelha do Quénia, Abbas Gullet, “em reconhecimento do seu trabalho e pela sua dedicação à causa da solidariedade mundial”.

Segundo o organismo, Kristiina Kumpula tem uma ação destacada na “promoção dos direitos sociais e de saúde” e tem trabalhado ativamente com os componentes internacionais do movimento da Cruz Vermelha, presidindo atualmente à Federação Internacional de Sociedade da Cruz Vermelha, além de ser membro do grupo consultivo de revisão constitucional da organização.

Abbas Gullet, segundo o Centro Norte-Sul, “conduziu a Cruz Vermelha queniana à liderança, tanto no continente africano, como no seio do movimento, aumentando a sua capacidade de resposta a crises humanitárias no Quénia e além”.

A cerimónia decorre esta manhã, no parlamento português, estando prevista a presença do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, e da secretária-geral adjunta do Conselho da Europa, Gabriella Battaini-Dragoni.

O Prémio Norte-Sul distingue todos os anos duas personalidades, uma do “Norte” e outra do “Sul”, pelo seu trabalho destacado no seu compromisso com os direitos humanos, democracia e Estado de direito, contribuindo para o diálogo norte-sul e para fomentar a solidariedade, a interdependência e a criação de parcerias.

Entre os laureados com este prémio encontram-se, entre outros, o ex-secretário-geral da ONU Kofi Annan, a política francesa Simone Weil, a rainha Rania da Jordânia, a primeira mulher Presidente da Irlanda, Mary Robinson, os ex-chefes de Estado portugueses Mário Soares e Jorge Sampaio, o antigo Presidente moçambicano Joaquim Chissano, o cantor irlandês Bob Geldof, o ex-Presidente do Brasil Luiz Inácio Lula da Silva, a moçambicana Graça Machel e a jornalista tunisina Souhayr Belhassen.

O Centro Norte-Sul — como é normalmente designado o Centro Europeu para a Interdependência e Solidariedade Global — foi criado em 1989 e integra 21 membros (Argélia, Andorra, Azerbaijão, Bósnia-Herzegovina, Bulgária, Cabo Verde, Croácia, Chipre, Espanha, Grécia, Vaticano, Liechtenstein, Luxemburgo, Malta, Marrocos, Montenegro, Portugal, Roménia, San Marino, Sérvia e Tunísia). Podem fazer parte membros do Conselho da Europa, mas também não-membros.

Fundado a 5 de maio de 1949, o Conselho da Europa é a mais antiga instituição europeia em funcionamento, com 47 Estados-membros, incluindo todos os países da União Europeia.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Partidos e Movimentos

Uma alternativa à Geringonça

Carlos Guimarães Pinto

As hipóteses eleitorais da Iniciativa Liberal são as de um partido novo sem figuras do sistema politico-mediático nem apoio de um grupo de comunicação como sucede com Santana/Impresa e Ventura/Cofina.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)