Brexit

Boris Johnson considera que é uma “loucura” a proposta de acordo alfandegário de May

O ministro dos Negócios Estrangeiros Britânico, Boris Johnson, considera uma "loucura" o plano de Theresa May sobre uma possível associação alfandegária do Reino Unido com a União Europeia.

NEIL HALL/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O ministro dos Negócios Estrangeiros Britânico, Boris Johnson, considera uma “loucura” o plano de Theresa May sobre uma possível associação alfandegária do Reino Unido com a União Europeia após a implementação do Brexit.

Em declarações ao tabloide britânico Daily Mail, publicadas na edição de hoje, o ministro refere que o tipo de associação proposto pela chefe do Governo pode limitar opções de negociação sobre outros acordos comerciais e cria “uma nova rede de burocracia” após a saída do Reino Unido da União Europeia, em 2019.

“Se existir um novo acordo alfandegário passa-se a ter um sistema que é uma loucura porque acabamos a coletar taxas em nome da União Europeia nas fronteiras do Reino Unido”, disse Johnson ao diário britânico durante a deslocação aos Estados Unidos.

De acordo com notícias publicadas nos últimos dias, Theresa May e o ministro britânico da Economia, Philip Hammond, são favoráveis a um novo acordo alfandegário que permitiria ao Reino Unido cobrar taxas nos portos e nos aeroportos em nome da União Europeia acabando por transferir uma parte do dinheiro para Bruxelas.

Esta proposta permitiria abordar o problema da fronteira irlandesa, entre a província britânica da Irlanda do Norte e a República da Irlanda.

Nas declarações ao Daily Mail o chefe da diplomacia britânica acrescentou que a proposta sobre um eventual novo acordo “não prevê recuperar o controlo da política alfandegária” e o controlo da legislação.

Para Johnson a proposta não considera igualmente a recuperação do controlo fronteiriço e o controlo sobre o dinheiro.

Os deputados que apoiam o afastamento total do Reino Unido da União Europeia exigiram na semana passada que Theresa May abandone a proposta de “associação alfandegária com o bloco europeu”.

A questão está a provocar divisões no Partido Conservador de Theresa May, entre os partidários da separação — sem acesso ao mercado único e afastados da união alfandegária — e aqueles que preferem manter algum vínculo com a União Europeia.

Todos os membros da União Europeia fazem parte da união alfandegária – isentando as taxas sobre mercadorias entre os 28 países-, mas que impõe uma tarifa comum sobre os produtos que entram na União Europeia provenientes de países que não fazem parte do bloco europeu.

Os conservadores britânicos que mais defendem o Brexit acreditam que o modelo de acordo alfandegário teria custos e seria complexo de pôr em prática fazendo com que o Reino Unido ficasse indefinidamente refém das regras alfandegárias da União Europeia.

A segunda fase das negociações entre Londres e Bruxelas estão centradas no período de transição — que vai prolongar-se entre março de 2019 e dezembro de 2020 — e no futuro das relações comerciais assim como sobre as questões relacionadas com a segurança entre o Reino Unido e a União Europeia.

O problema da fronteira irlandesa é um dos temas principais porque os políticos do Partido Democrático Unionista da província da Irlanda do Norte (pró-britânico) opõem-se a que a fronteira aduaneira entre o Reino Unido e a União Europeia seja o mar que separa Grã-Bretanha e a Irlanda.

Theresa May depende dos dez deputados do Partido Democrático Unionista para governar, depois de ter perdido a maioria absoluta nas eleições gerais realizadas em 2017.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)