Desde o primeiro minuto da semifinal da Eurovisão transmitida esta terça-feira que o Chipre passou à frente da Irlanda e de Israel e está agora em primeiro nas probabilidades de vencer o maior concurso de música pop da Europa nas casas de apostas. A canção “O Jardim” interpretada por Cláudia Pascoal (escrita por Isaura) está longe do pódio: à hora da publicação deste artigo, Portugal estava na 19ª posição de uma lista que tem 34 entradas — já excluindo os países eliminados na primeira semifinal. Pelo menos numa sondagem, no entanto, as contas são outras: os fãs da Eurovisão acham que é Israel quem vai conquistar o prémio. E Portugal surge logo a seguir.

Faltam três dias para a final da Eurovisão: só mesmo no sábado é que todas as decisões vão ser tomadas. Até lá, no entanto, a organização da Eurovisão organizou uma tabela onde prevê os votos da população eleitora através do sentimento do público espelhado nas principais casas de aposta. Por lá, o ouro vai para o Chipre, a prata para a Noruega (que só atua na segunda semifinal do evento, que ocorre na quinta-feira) e em terceiro surge Israel. Portugal só surge na segunda metade da tabela, ultrapassado pela Hungria e seguido pela Ucrânia. A posição portuguesa tem subido, mas não parece ter evoluído o suficiente para repetir a proeza de Salvador Sobral em 2017.

Mas isso não parece completamente claro para a sondagem feita no site Eurovision.com. À pergunta “Quem vai ganhar a Eurovisão 2018?”, 22% dos participantes respondem “Israel”, mas logo a seguir surge Portugal com uma percentagem de 7%, empatado com a Estónia mas com mais 300 votos que este último. O Chipre, que domina o pódio nas casas de aposta, vem em quarto lugar na sondagem com 4% e pouco mais de quatro mil votos. Este é o parecer das quase 67 mil pessoas que acederam ao site. Sem hipótese nenhuma na sondagem parecem estar San Marino, Geórgia, Montenegro e Letónia, que só atuam na quinta-feira mas que estão com 0% dos votos.

Este é um cenário bem diferente daquele que Portugal vivia por esta altura na Eurovisão do ano passado: Portugal só rivalizava com Itália e era o preferido tanto nas casas de apostas como nas sondagens. Isso reflectiu-se na vitória de Salvador Sobral com a canção “Amar pelos Dois” e com a maior pontuação alguma vez alcançada em toda a história da Eurovisão. É por isso que Lisboa está a receber o evento este ano, conduzido pelas apresentadoras Daniela Ruah, Sílvia Alberto, Catarina Furtado e Filomena Cautela.